31.3.05

Só mais este pequeno aviso:

Já dei!

Papa Don't Preach!

Quarto com Rés Posta

Irmão, sinto-me honrado por ser alvo de tamanho vilipêndio, que me coloca na linhagem dos bravos exploradores do oeste americano, a quem os nativos cumulavam de honrarias e desconsiderações chamando-lhes Língua Bifurcada. A propósito, quanto bifurcados terá o aposento da Moita?

Poema em Prosa de Ni Cotinelli

Pulveriza-me na Sala

Ó substância activa, vens de um furo alto de momentânea sonda, doseado a 50 gramas por verbalização. Ó pretendentes de celulite dispensável, a celulite é cristalina. O caramelo é sólido, visceral, sem trato. É sólido desidratado, ácido de crítico mono e entalado. Há para ali sorvete de oitentas e cloro de benzina cólica... O álcool vem etílico, a água purificada.

(by Ni Cotinelli, in Medica-me Em Prosas, 1999)

O meu pensamento para hoje

Às vezes o Horóscopo nunca falha!

Acusação Grave

O Cesto é bilingue.

DOCTOR WHO?

Ainda a estreia está fresca, depois de 16 anos de paragem, já o protagonista da novíssima série de Doctor Who, uma das mais vitorianas e interessantes da ficção-científica britânica, made in BBC, se demite. Diz Christopher Eccleston que teve medo de ficar colado à personagem. Bem, se não tivesse feito a primeira época da série é que ningém o iria conhecer, mesmo.

Para já discutem-se os sucessores, tipo treinadores de futebol. A própria BBC avança com dois nomes. Por cá, escolheriamos Bill Nighy, mas parece que David Tennant também está na corrida. O que importa é que a bela Billie Piper continue na série.

Eis o demissionário:



A bela assistente:



E os possíveis, com Nighy à esquerda:

30.3.05

Nota do Ditador

A posta que precedeu esta mesma é puramente especulativa. Alguma informação nela contida que esteja menos correcta não é blague, nem pretendemos com ela induzir alguém em erro.
A verdade absoluta é que o referido texto foi redigido sem a minha autorização superior e sem que os The Galarzas tivessem ainda conhecimento do resultado do encontro.

Caso se venha a apurar algum erro grosseiro e/ou negligência por parte do redactor responsável pela notícia, este será severamente punido pelo Comité Lateral.

Assim que esteja completamente esclarecida toda a verdade dos factos, os The Galarzas, terão todo o prazer de comunicá-los aos seus dulcíssimos i-leitores. Assim será.

O Presidente e Ditador Vitalício do Comité Lateral

Espectacular

Terminou há minutos o recontro futeboleiro entre as selecções AA de Portugal e da Eslováquia, recrutadas pelo Dr. Readers Digest, com um resultado espectacular, uma goleada como há muito não se via em jogos a contar para o troféu em disputa.

Tarte de Maçã

Entre a caganeira subtil mas maçadora, a dor de cabeça fulminante mas teimosa e o stress pela carga de trabalho a mais... acho que me vou ficar pela tarte de maçã caseira, sem calorias nem frieiras, feita à base de barbitúricos e analgésicos e salpicado de aspirinas e trifenes que a Dona Camomila, aqui do ofício, nos trouxe esta tarde. «É para comer durante o jogo», lembrou a Dona Camomila, antes de acrescentar prontamente «cuidado com os intestinos, menino, cuidado com os intestinos que lhe sobem à cabeça e depois é uma carga de trabalhos».

É oficial

Hoje não sai nada de jeito deste teclado. Ó musas! ó azar! ó azerty! ó qwerty! Ó que porra.

Está na Hora

Está na hora de comprar a FOCUS e ler a porcaria que mandámos imprimir no papel. Produtos frescos, mundanos e científicos, que só estão disponíveis na edição de hoje. São originais que nem sequer vão sair no livro. Os artigos expostos não são para consumo da casa. Comprem já antes que esgote.

O Toby

Algures num sítio muito distante há um bichinho muito querido e adorável chamado Toby, que vive feliz debaixo da sombra protectora do seu melhor amigo. Mas o mundo é por vezes cruel para com os bichinhos, mesmo com os mais adoráveis de todos, e o nosso querido e felpudinho Toby corre um sério risco de ser morto e comido pelo seu melhor amigo se todos nós não ajudarmos a salvá-lo.
Salvemos o Toby, ou o destino, inexorável e carrancudo, a fazer as suas maldades contra as mais indefesas criaturas deste vale de lágrimas.

She-Blogs ou as duas faces da mesma moeda

Porque todas as mulheres têm duas caras, também a blogosférica tem duas faces femininas: a da dona de casa que quer dar de comer à família e a sua família é o mundo e a da profissional competente-ambiciosa-curiosa que quer chegar mais longe, mais depressa. Afinal, Internet é uma palavra feminina...

#@%§*~#?§!!! (parte 2)

Ao fim de várias horas de vários dias, parece que o Blogger lá resolveu fazer uma pausa na sua imensa demanda contra os blogueiros do mundo inteiro... Esta coisa 'tá mais lenta e mais chata que a função pública, chiça! Por isso é que a luso-blogosfera tem andado a meio gás. Ou será que isto já é o choque tecnológico?

29.3.05

Director's Blog

«Where are you, Mulder?»

(Tradução: «Ondi é qui vôcê istá, Môldérr?»)

O Sonho dela LXXX

O sonho da formiga era parar um pouco e fumar um cigarro com a cigarra.

O sonho dele LXXIX

O sonho de Van Gogh era tocar de ouvido.

Absolut Absente

Parece que anda para aí uma marca de absinto a seguir as lições de uma certa marca de vodka. Depois de séculos de álcool ao serviço da arte, eis finalmente a arte ao serviço do álcool...

#@%§*~#?§!!!

Rais parta mais à merda do Blogger que não deixa um gajo postar decentemente... Pôrra que é preciso ter uma paciência do camandro!

28.3.05

Estranha forma de arte

Uma pop-pintura:

by Ron English

Uma cine-pintura:

by Simon Goulet

Uma grafitti-pintura:

by Banksy

Era uma caixa de fósforos, se faz favor!

Fervilham as cocheiras com os vapores do esterco fresquinho e fumegante acabado de fazer; as flores azedas, amarelas e vulgares, exultam às vespas; o poço vai meio vazio coberto de limos por cima, espécie de algas que crescem e proliferam nas águas mais insalobres; o sobro está morto e serve de abrigo aos ratos que se enfiam pelas frestas podres; a laranjeira só dá espinhos onde nos arrisquemos a perder lenços de pele, ou a furar a carne dos braços descobertos, e de lá de cima ainda podemos cair ao fosso, há mais de quinze anos coberto de silvas da altura de duas casas; passa o vendedor de sardinhas a gemer as dores da perna perdida na estrada do Açor; a velha de enxada na mão acabou de matar uma cadelita muito velha, que trazia os males dos cães, todos agarrados ao pêlo, às patas, ao peito, à própria alma, se é permitido aos bichos que tenham alma, pelo que se via na tristeza dos olhos e na forma submissa que punha a pobre para qulaquer ser que lhe passava pela cercania...

Publicidade

ESCOLA DE TRANSMIGRAÇÃO DAS ALMAS
Exoterismo por Medida - Teorias e Paramentos

Abertos de segunda a sexta das 9 às 19
sábados das 9 às 13

Aceitamos ESPÍRITOS à consignação
À responsabilidade do cliente.

Não trabalhamos com dialéticos.

Million Dollar Baby

«If there's magic in boxing is the magic of fighting battles beyond endurance, beyond cracked ribs, ruptured kidneys and detached retinas. It's the magic of risking everything for a dream that nobody sees but you.»

Podia ser um filme genial, brilhante, perfeito. Na primeira parte, quase chega a sê-lo. Mas infelizmente, na segunda parte, quando deixa de ser um filme sobre boxe e sobre fighting battles beyond endurance, quando devia mesmo sê-lo, perdeu-se, despachou-se e fechou a cortina a correr. Sem discursos, sem rodeios, sem falsos moralismos. Até aqui tudo bem. É pena é que pelo meio da plácida correria se perca a mensagem e a justificação... Podia ser um filme perfeito. Assim, nem chega sequer a ser o manifesto que ameaçava ser nem a levantar metade da polémica que o tema merecia. É só um bom filme. Best Picture? Nem por isso. Na verdade, só Morgan Freeman justifica o seu Oscar.

Afinal, era ele quem as tinha!

27.3.05

O Retiro do Presidente

Alguns dos nossos e-leitores resolveram inundar-nos a caixa de correio eléctrico queixando-se de uma alegada falta de rotundas nesta blague, por isso, decidi:

1º- Fazer um retiro espiritual no qual meditarei sobre este grave assunto;
2º- Meditar ainda acerca de outras problemáticas que prejudicam o normal funcionamento da minha nação;
3º- Não partilhar as minhas bolachas em todo o período de meditação e auto-gnose;
4º- Edificar pensamentos;
5º- Fazer tremer os corações descrentes;
6º- Apoiar as artes;
7º- Semear a concórdia;
8º- Produzir conclusões que levem ao pronto restabelecimento da virtualidade.

Com a certeza de que em tempo oportuno comunicarei aos meus apaniguados todas as minhas decisões com relação ao acima descrito, faço ainda saber que não serão toleradas ingerências às minhas funções e, que os instrumentos postos por mim ao serviço do público, não devem ser usados indevidamente.

O Prócere Ditador Vitalício de todos os The Galarzas, Presidente do Comité Lateral

O Sonho dele LXXVIII

O sonho do Papa era fazer patinagem artrítica.



[Roubado daqui com um saravá e um aleluia.]

O meu Sonho .250

O meu Sonho era vender a alma ao Diabo com taxas de juros baixas e um spread muito favorável.

A estranha ideia de dó

Outra lista do dia

1 tomar banho (quando me levantei o travessiro veio colado ao cabelo)
1 ler "Theatre" de Somerset Maugham
1 evitar os programas religiosos
1 levitar com a força do pensamento (ou do vinho, conforme o que der primeiro)
1 resmungar
1 apartar os borregos
1 fazer a pedicure
1 bocejar violentamente

A mudança da hora

Num ápice, atrasei-me

lista do dia

1 formatação completa do pc
1 disco encontrado com um audiolivro do Robin Williams
1 sabonete estreado
1 jantar com uma amiga que não via há 10 anos
1 prato de vieiras grelhadas com tagliatelli
1 golinho de Casa de Santar
1 cigarro
1 livro que se está a tornar deveras interessante

Na discoteca de Galarza II

«E por isso é que eu te peço / arranja-me um emprego
Arranja-me um emprego / pode ser na tua empresa / concerteza
Que eu dava conta do recado / e para ti era um sossego»


Kaiser Chiefs, 'Employment'

Na discoteca de Galarza I

Back in Black ou o regresso das capas pretas aos ouvidos galárzicos...

Nick Cave & The Bad Seeds, 'B-Sides & Rarities' Antony and the Johnsons, 'I Am A Bird Now' Feist, 'Let It Die'

26.3.05

Ouvido na rua

«O que prometo, compro...»

Fábula Pascal

Estava o Cuelhinho tranquilamente a pôr um ovo de colombo, fiado na protecção da moita, quando uma luz súbita e branca de neve o fez saltar e bater com as orelhas num ramo do conhecimento.
Foda-se
, gritou o Cuelhinho, já não se pode estudar geometria descansado?
Saiu dos arbustos disposto a desancar quem o perturbara e deu de caras e de cernelha com o Espírito Benfazejo.
Sou o Espírito Benfazejo, disse o Espírito Benfazejo, e foi por isso que o Cuelhinho soube que estava a dar de caras e de cernelha com o Espírito Benfazejo. Venho com uma missão, fazer o bem e espalhar a paz e a boa vontade nesta época abençoada.
Ah sim?
replicou o Cuelhinho, e durante o resto do ano, também chateias quem está em ovação?
Não
, respondeu mansamente o Espírito Benfazejo, sou contratado em part-time com vínculo precário e nem sequer tenho protecção sindical.
E o Cuelhinho, tocado pelo Espírito Benfazejo da época abençoada, jurou a si próprio, pois não estava mais ninguém nas redondezas e não queria comprometer-se com estranhos, pagar as quotas em atraso do Sindicato dos Animais Com Pelo e Dentes Salientes. E deu um pontapé no retrovisor do Espírito Benfazejo tão violento que este se esfumou e nunca mais voltou.

A Páscoa

É a festa da família. Felizmente só há mais uma por ano e ainda faltam nove meses. Esta é a melhor, temos que aturar menos gente e não é preciso fazer ofertas de coisas inúteis e de mau gosto.
A Páscoa é uma das minhas festas religiosas preferidas. Aproveito o feriado coladinho ao fim-de-semana para não sair de casa, não tomar banho durante três dias, comer e dormitar debaixo da pepineira da programação televisiva, filmes sobre cristos e outros doxos incluidos.
Agora aproveito os milhares de Kcal que acabei de deglutir, para perseguir mafiosos, assassinar os bons e deixar fugir os iníquos numa jogatina que está aqui engatilhada no aparelho.
Viva a paz!

Rocketman, Shatner-style

1978. Sci-Fi Awards. Um actor de culto. Um clássico da pop de 70s. Um hilariante desastre...

Para nosso espanto...

...Isto anda tudo muito calmo.

Para nosso espanto

Nem nos saiu o Euromilhões nem acabou a guerra civil na Quirguizia. Ele há coisas...

25.3.05

O Sonho deles LXXVII

O sonho dos ludditas era à maquina zero.

Allegretto per Signora

Sai um saravá de parabéns aos pedaços.

«E agora, senhoras e senhores, um interlúdio musical...»

Eis um pequeno teste que fica como entretém para o fim-de-semana: NAME THAT ALBUM COVER. Não vale fazer batota - só é preciso «um pouquinho de superação»...

Poema em Prosa de Ni Cotinelli

Goma de Mascar

Goma base, carbonato de cale-se! Sorbitol, carbonato de sólido amigo, bicarbonato de sólido. Plasticina, glicerina, água pura ficava. Leve mentol - aromas tutti. Sacanice! Sacanice sádica... Acesso Sul, fama de puta assim. «Xixi-cama, manitoba». Gelatina, dióxido de Titanic, cera de carne e uva. Pó de talco.

(by Ni Cotinelli, in Medica-me Em Prosas, 1999)

24.3.05

Sabia que...

...Steffi Graf sofreu, durante muitos anos, de raquetismo?

Calcinada Forja

Aquiescente intumescida e grata
rumina contumaz falácia impante

Anafiláctico límbico goraz
gorgoleja estólidos remansos

Óscar Machico, in «Música com Creta», Publicações Privadas, 1979

Campos de ténias

Serôdio milho,
ou temporão,
eu é que me quilho,
ou não?

Todas as veredas rasgadas
por cem mil pares de solas nuas
desaguam nas auto-estradas.

Óscar Machico, in «O bisonte no horizonte», Editorial Bicuda, 2005

«Eu sou uma prófissiônáu do séquisu»

Os The Galarzas apresentam em primeira de mão e num exclusivo local uma reportagem-choque do canal brasileiro SBT... Atenção: as imagens que se seguem não são aconselháveis a e-utentes facilmente pressionáveis e enfins. Feito o aviso, quelique aqui.

PS: Os The Galarzas agradecem o roubo à malta criativa.

O Género (ouvido na rua)

Entre dois colegas, discutindo «garotas»:

«- Essa não faz muito o meu género...
- Oh pá, como diz o outro: eu só tenho um género, o feminino!»

Ouvido na rua

Impropério efabulado a meio do dia de labor:
«És má! És cruim, és ruel...»

O Casamento dos Famosos #1

É o casamento do ano no Bairro da Fandangueira, Loures, sábado 26 de Março, em que vão unir-se pelo matrimónio a D. Maria Eduarda, viúva de 48 primaveras e proprietária da leitaria "Vivaz", e o Sr. Almeno Pedroso, solteiro, de 47 anos, funcionário dos TLP.
O copo d'água será servido aos 200 convidados, familiares e amigos mais intímos, no Restaurante "O Boi Dourado" no sopé da Serra de Vialonga, com ambiente seleccionado e bar aberto até às seis da madrugada.
Baile e música ao vivo pelo conjunto musical "Os Pernas Bambas".

Aos felizes nubentes desejamos ainda mais felicidades.

Vai Começar


The Galarzas preparam-se para ignorar o casamento entre Carlos e Camila. Siga aqui todos os acontecimentos que nada terão a ver com a enfadonha neurose britânica. Só em The Galarzas.

Testimónio

De Callao al Sol
Eternamente dormida
Una sonrisa te busca en
El grís del bujon
En los rincones de amores
En la calle perdida de todos los libros
Señas y contraseñas para
Qué te conquiste
Aún que no lo quieras
Podrias charlar de un solo modo
A tus pañuelos secos;
Que él resultado de mi
Conquista,
Vencido o vencedor,
Sea con un en la alfombra
Y outro al alrrededor

de Eustáquio Pinho, O Naufrágio da Falua, Vigo, 2005

23.3.05

Bolos

Hoje estou muito melancólica. Tanto que voltei ao bar do senhor Salieiro, voltei ao vício e à má vida. Às vezes a gente tem que se soltar um bocadinho, não é? Isto não pode ser só introspecção os dias todos, não é?
A seguir ainda vou fazer a depilação, e vou fazer um bolo de cenoura, duma receita dos anos sessenta, para oferecer às minhas irmãs que vêm cá para tomar um whisky e conversar um bocado.

Herr Flick saúda...



...o Dia Nacional dos Côxos.

Polícias reclamam segurança

Crie-se um corpo de agentes de apoio aos polícias. E até poderiam andar armados, por ousada que pareça a proposta. E se também estes se sentissem ameaçados, porque não uma nova camada de agentes? E por aí fora, tartarugas sobre tartarugas sobre tartarugas sobre...chega, já se deve ter percebido a ideia.

A Xícara de Viramundos

Em breve, os The Galarzas vão oferecer ao mundo e aos seus e-leitores a primeira tradução de A Xícara de Viramundos - o primeiro romance pálido de Homem Basco, autor e encenador da sua própria vida real.

Não perca, em breve, A Xícara de Viramundos. Num blog perto de si.

Há núncio

Hoje é quarta-feira - dia de carapau no mercado, dia de chocolate quente, dia de maçã assada, dia de voltar à noite, dia de ler a FOCUS.

De Água e Sal

Hoje é o Dia Mundial do Sal e para o celebrar condignamente, os The Galarzas, juntam o dia de ontem, à evocação do dia de hoje. Por cima põe-se um pedaço de marmelada, ou geleia.

22.3.05

Hodierno caramanchão

Grita javardo
e corre nu
aterra num cardo
de cu
A sua caraça
é de pele
pele de má raça
infiel
Arrota e flatula
seja onde for
é escravo da gula
e da cor
É grosso rufia
não prende ninguém
manda a cortesia
ao Cacém

Óscar Machico, in «Modinhas à moda do porco», Editorial Tripa Negírico, 2000

Da Água II

Para assinalar condignamente o Dia Mundial da Água (e para provar que não é só o que tem consciência destas coisas), os The Galarzas deixam aqui a sua contribuição para a celebração de um dia que, afinal, nos vem lembrar a falta que a água faz.

Sendo assim, pois, os The Galarzas prestam hoje homenagem ao copo d'água - essa mui nobre e desprotegida instituição lusitana:

Da Água

Para celebrar condignamente este Dia Mundial da Água, hoje voltou a não chover... É caso para dizer: que seca!

O Xucalho

A caixa e-postal The Galarzas foi vítima de assalto e assédio, na forma de uma enigmática e estonteante ameaça:

«EURODANCERS... ANDARILHOS... DANÇONAUTAS... SALCHICOS... Esta Páscoa venha XUCALHAR este OVO com a gente! ELES ESTÃO DE VOLTA! NON STOP!»

Quem souber o paradeiro desta gente, faça o favor de lhes dar música...

Everything is alright...



(foto:LUSA)

Mary Magdalene
Try not to get worried
Try not to turn on to
Problems that upset you
oh Don't you know
Everything's alright
Yes everything's fine
And we want you to sleep well tonight
Let the world turn without you tonight
If we try
We'll get by
So forget all about us tonight

Apostles' Women
Everything's all right
Yes everything's all right yes

Mary Magdalene
Sleep and I shall soothe you
Calm you and anoint you
Myrrh for your hot forehead
oh Then you'll feel
Everything's all right
Yes everything's fine
And it's cool and the ointment's sweet
For the fire in your head and feet
Close your eyes
Close your eyes
And relax
Think of nothing tonight

Apostles' Women
Everything's all right
Yes everything's all right yes

Judas
Woman your fine ointment
Brand new and expensive
Should have been saved for the poor
Why has it been wasted?
We could have raised maybe
Three hundred silver pieces or more
People who are hungry
People who are starving
Matter more
Than your feet and hair

Mary Magdalene
Try not to get worried
Try not to turn on to
Problems that upset you
oh Don't you know
And we want you to sleep well tonight
Let the world turn without you tonight
If we try
We'll get by
So forget all about us tonight

Women
Everything's all right
Yes everything's all right yes

Jesus
Surely you're not saying
We have the resources
To save the poor from their lot?
There will be poor always
Pathetically struggling
Look at the good things you've got!
Think while you still have me
Move while you still see me
You'll be lost
You'll be so sorry
When I'm gone

Mary Magdalene
Sleep and I shall soothe you
Calm you and anoint you
Myrrh for your hot forehead
oh then you'll feel
Everything's alright
Yes everything's fine
And it's cool and the ointment's sweet
For the fire in your head and feet
Close your eyes
Close your eyes
And relax
Think of nothing tonight

Apostles' Women
Close your eyes
Alose your eyes
And relax
Think of nothing

Everything's all right
Yes everything's all right yes

O pior inimigo

Agradeço daqui ao meu pior inimigo ter conseguido os seus intentos nos últimos dois dias. A v. ex.a, saiba que fiquei então pelo leito, em espasmos dolorosos, tal como o meu inimigo desejou. Mais informo que, e ainda não reestabelecido, quando me quiser ver assim de novo, basta mandar aquelas amêndoas de páscoa recheadas de chocolate, que eu comerei outra vez.

Seu,

O reino ao lado

Mil e duzentos quilómetros e 24 horas depois, algumas observações permanecem gravadas nos neurónios.

Há concertos em Madrid cuja assistência é composta por 70% de morcegos e 30% de compatriotas. Conclusão: os hermanos ficaram em casa.

Um bar-restaurante-hospedaria-centro comercial em plena terra de Espanha chamado Portugal II que se pode orgulhar de possuir os urinóis mais originais da península. Imagine-se uma banheira horizontal, parede num extremo e comensal no outro. A contemplação do rio da vida. Voilà. O nome Portugal continua a dar novos mundos ao imundo.

Bebe-se café decente em qualquer lado. Longe vão os tempos em que se voltava a correr para a pátria para saciar a cafeinodependência com uma bica cimbalina.

Ah, e o concerto foi magnífico.

Nobody expects the Spanish Inquisition!

«The 52 funniest things about the upcoming death of the Pope

E você? Já alugou o seu?

rent a German

«rent-a-German offers a wide range of Germans for your personal and social needs.

You can select the German of your choice for an exclusive lifetime experience: imagine to appear with your German at parties, family events, or just hang out with them at the local shopping center.

No matter which occasion you choose, you will surely impress your environment by presenting an original German.
»

Evidências 009

A verdade é que continuo sem ter nada para dizer.

21.3.05

Poema de Mestre Nestor Alvito

O Poema que não queria ir para a cama mais cedo

- Vai p’rá cama, poemito
- Não vou, q’ainda é cedo
- Vai p’rá cama, já te disse
- Não vou não, não cedo

- Vai p’rá cama, que te bato
P’rá cama, não sejas chato
- Não vou, mamã, não quero
O que eu quero é um retrato

- Mas se fores p’rá cama já
tiro-te um retrato lá

(in Travessa do Ferragial, edição de autor, 1979)

Descubra as diferenças

Ricky Gervais, Seona Dancing (1983) vs. Ricky Gervais, 'The Office' (2001)

Da Mordida

Para celebrar condignamente a dentada na língua de Quinto Galarza, este outro Galarza vai ter uma epifania... Pronto já tive! Acho que já tive... Aaahm! Ou será que isto tem outro nome? Merda, não me lembro como é que isto se chama. Não era epifania? Assim um espasmo e uma contracção...E depois há uns músculos que se mexem. Epifania, ou celeuma, ou o diabo!
Seja como for está, está celebrado.

Da Poesia

Para celebrar condignamente o Dia Mundial da Poesia, este Galarza mordeu a língua. Literalmente...

Da Primavera

Para celebrar condignamente a chegada da Primavera e o Dia Mundial da Floresta, a chuva regressou ao país. Finalmente.

A Quinta das Trivialidades

Não é suposto o elenco da Quinta Das Celebridades ser composto por... enfim, celebridades? Ou no mínimo... sei lá, pessoas... tipo, conhecidas? Já para não dizer interessantes...

20.3.05

Apontamento

A minha alma partiu-se como um vaso vazio.
Caiu pela escada excessivamente abaixo.
Caiu das mãos da criada descuidada.
Caiu, fez-se em mais pedaços do que havia loiça no vaso.
Asneira? Impossível? Sei lá!
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu.
Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.

Fiz barulho na queda como um vaso que se partia.
Os deuses que há debruçam-se do parapeito da escada.
E fitam os cacos que a criada deles fez de mim.

Não se zanguem com ela.
São tolerantes com ela.
O que era eu um vaso vazio?

Olham os cacos absurdamente conscientes,
Mas conscientes de si mesmos, não conscientes deles.

Olham e sorriem.
Sorriem tolerantes à criada involuntária.

Alastra a grande escadaria atapetada de estrelas.
Um caco brilha, virado do exterior lustroso, entre os astros.
A minha obra? A minha alma principal? A minha vida?
Um caco.
E os deuses olham-o especialmente, pois não sabem por que ficou ali.


Álvaro de Campos escreveu. Margarida Pinto canta. The Galarzas agradecem...

Margarida Pinto 'Apontamento'

Mensagem de Ódio

Servem estas pequenas linhas para manifestar o meu ódio por algumas pessoas que, amanhã, vão de Lisboa a Madrid, ao Teatro Lope de Vega para assistir a um concerto dos Dead Can Dance. Tenho nojo de vós. Devíeis ser privados do uso de cabelo, como marca da vossa ignomínia. Não passais de uns cabotinos almíscarados!

Contas à vida

Numa iniciativa inédita e puramente altruísta, os The Galarzas recuperam aqui um esclarecimento antigo:

«Esclarecimento

Vimos por este meio aclarar as dúvidas de alguns leitores: o URL (u-érre-éle), a morada, o address dos The Galarzas é http://galarzas.blogspot.com. Assim mesmo, sem www entre as barras e os galarzas.

É mesmo só paneleirice, mas é melhor para as contas e faz bem ao ego. A Internet é um país maravilhoso.»

Pois caros amigos linkadores nesta situação, pedimo-vos (joelhos ao chão e mãos ao peito) que obliterem os três dabliús. É que assim não aparecem lá embaixo, naquela listazinha no fundo da beluga. E depois vamos ao tecno-rato e descobrimos que anda para aí malta a linkar a gente e a gente nem lhes manda um saravá, um biscoitinho, um cházinho de malvas... Fica mal, fica mal. E depois dizem que a gente isto e a gente aquilo e a gente não é nada disso...

Década de Salomé

Vai terminar esta prosa
Estamos na década de salomé
Será o apocalipse ou a torneira
A pingar no bidé?

É meio-dia dia de feira
Mensal em Vila Nogueira
Estamos na década do bricolage
Diz o jornal que um emigra
Morreu em Mira
Antes da data
Do mariage

Estamos na Europa
Civilizada
Já cá faltava
Uma maison
Pour la Patrie
P'lo Volkswagen
Acabou-se a forragem
Viva o Patron!

Já tem destino esta terra
Vamos mudar para o marché aux puces
O tempo das ceroilas está no fio
Agora só de trousses

É meio-dia dia de feira
Mensal em Vila Nogueira
Estamos na década do bricolage
Diz o jornal que um emigra
Morreu em Mira
Antes da data
Do mariage

Saem quarenta mil ovos moles
Vilar Formoso
É logo ali
Faz-se um enxerto
Com mijo de gato
Sola de sapato
Voilá Paris!

Aos grandes supermercados
Chega a cultura num bi-camion
Camões e Eça vendem-se enlatados
Lavados com «champon»

É meio-dia dia de feira
Mensal em Vila Nogueira
Estamos na década do bricolage
Diz o jornal que um emigra
Morreu em Mira
Antes da data
Do mariage

Estamos na Europa
Radarizada
Já cá faltava
Uma turquês
Para o controle
Do bravo e do manso
Vivaço e do tanso
Em cada mês!

A fina flor do entulho
Largou o pêlo ganhou verniz
Será o Christian Dior o manajeiro
A mandar no País?

Estamos na Europa
Do «estou-me nas tintas»
Nada de colectivismos
Chacun por si, meu
E chacun por soi
Tê Vê e cama
Depois da esgaça
Até que lhes dê traça
A culpa é toda
Do Erre Hagá

Levam-te à caça
Dos gambozinos
Com dois ouriços
Em cada mão
Ai velha fibra
Do bairro de Alfama
A carcaça do Gama
Vai a leilão

José Afonso

Now that the living outnumber the dead...

...torna-se difícil acreditar na reencarnação.
A menos que

a) haja agora mais gente sem alma que em tempos idos;

b) se partilhem almas em regime de time-sharing, o que é perfeitamente possível. Uma havaiana e um português podem dividir a alma, pois ao meio dia do português a havaiana dorme como uma desalmada;

c) os outros animais, por exemplo as toupeiras, também tenham alma. Isso explicaria a obsessão de PSL com o túnel;

d) as almas se reproduzam. Juntam-se num bar, ouvem música (soul, pois claro), your place or mine, e dão-lhe com alma. Sem contraceptivos.

Diário de um fósforo

Ontem a Fresta voltou a abrir-se. Segundos depois o Rocky desapareceu num clarão. Temos que manter a cabeça fria, digo aos meus irmãos.

Resultado trágico de um inquérito inocente

- Importa-se de responder a uma perguntinha para a televisão? - perguntou o jornalista, de seringa na mão.
- Concerteza - disse Adelaide, já nos seus 80.
- A senhora é a favor da eutanásia? - questionou o jornalista.
- Sou - disse Adelaide, um segundo antes da picada.

Lentilhas (aditamento 2)

Rhett Butler insulta-me. Começo a ficar pior que estragado. Este cretino julga-me completamente desprovido de inteligência e insulta-me à frente de quem quer que seja. Julga que não compreendo cada palavra que diz.
Um dia destes ofereço-lhe um chá, ou outra coisinha qualquer para beber. Há-de ir conhecer o coveiro e fazer troça da enxada dele.

19.3.05

«Ora podem crer que vou continuar a agradecer a alguém que tenha a bondade ou a oportunidade de me auxiliar»

Ora podem crer que clicando aqui podem ouvir um verdadeiro clássico do Metro de Lisboa. E que vamos continuar a agradecer à sªra a oportunidade de nos auxiliar e à galinhola a bondade de nos oferecer um regalo destes...

Lentilhas (aditamento)

Rhett Butler tem a boca grande demais. Joga ao poker com cartas a quem sustenta o vício em troca de intrigas, de mentiras, de sinais secretos e desleais, falseia sempre o desfecho da jogada.

Rhett Butler não é um amigo meu. É um sujeito a quem tenho que entregar os relatórios das minhas observações, para que os entregue ao correio que passa à porta de um armazém abandonado. Só ele conhece o nosso contacto e, por isso, tenho que aceitá-lo por vezes a ler-me a carta astrológica. Espero que caia do cavalo um dia destes e fique de lábios rasgados.

Os sábados ao telefone

Tarde de sábado. Sortudo esquece-se do telefone no carro. Em casa, refugia-se no trabalho que ficou da semana e esquece-se das horas. Noite de sábado. «Mas... onde é que deixei o telefone? Queres ver que o perdi?», questiona-se Sortudo enquanto faz contas à vida. «Ah, ficou no carro». No carro está. O telefone e... 14 chamadas não atendidas mais 1 mensagem de voz. «14 chamadas, num sábado? Chiça!» Sortudo vai a ver - 14 chamadas não atendidas: do trabalho! 1 mensagem de voz: do chefe! «É preciso ter azar», desabafa Sortudo.

Do minicirco para os headfomes

Isto de se passar a tarde a passar entrevistas da cassete para o papel tem o seu quê de involuntário. É como daquela vez em que estava a passar para o papel - a transcrever, dizem os sábios - a entrevista que tinha feito dias antes a um elefante azul, conhecido entre os Zoos da Europa como um fumador nato.

Nada de novo: apenas umas coisas que pensava que tinha perguntado mas não perguntei, umas respostas que me lembrava de ter ouvido mas não ouvi, umas deixas que poderia ter apanhado mas não apanhei, enfim... Dessa vez, a entrevista até saiu bem, não fora o facto do raio do elefante azul ter passado a entrevista toda a fumar e, quando me pus a passar a conversa, só me saiam baforadas de fumo do leitor de cassetes...

Mas isto de se passar o fim-de-semana a passar entrevistas da cassete para o papel tem o seu quê de involuntário. E de inevitável. É chato, pronto. Mas mais que tudo - mais que a dor nos dedos de tanto dar ao dedo e nos ouvidos de tanto ouvir -, esta coisa de passar entrevistas dá-me fome.

Lentilhas

O Rhett Butler esteve aqui há bocado. Apareceu assim, sem mais nem menos, como se não estivesse a dever-me os quinze contos, como se não tivesse desaparecido há meses sem dizer nada, sem explicações.

Chegou aqui e pôs-se a soprar-me coisas aos ouvidos, mas eu, que já estou mais que farto de ouvir os ventos dele, fiz de conta que não era nada. "Vai mandar essa à gaja do vestido verde, rapazinho. A tua cantiga está mais seca que as hortas de Mértola!", pensei eu, e sem querer parecer muito mal educado perguntei-lhe pela saúde da tia.

De repente põs-se a cofiar o bigodinho ridículo, e mostrou-me umas fotografias de Benidorm, todo contente. Esteve de férias. Maldito comedor de lentilhas, passa a vida nisto. Depois vem mostrar as fotografias, mas por um acaso estranho, na revelação, só as que são tiradas às traseiras dos edifícios é que lhe saem bem. O resto é lixo. E é sempre assim.

Ainda me disse-me que tinha vidrinhos novos. Cá tenho as minhas razões para não confiar em personagens, que fazem colecção de bocadinhos de vidro vulgar apanhados no chão em qualquer lugar.

Um tributo grande demais!

Há tributos e tributos, mas este, senhores... este deixa-nos verdes de espanto e entumecidos de admiração... Longos são os nossos engrandecimentos, senhores, largo é o nosso respeito e fundo o nosso saravá. Agora chega, que vamonos a brindar.

The Man Who Couldn't Cry

There once was a man who just couldn't cry
He hadn't cried for years and for years
Napalmed babies and the movie love story
For instance could not produce tears
As a child he had cried as all children will
Then at some point his tear ducts ran dry
He grew to be a man, the feces hit the fan
Things got bad, but he couldn't cry

His dog was run over, his wife up and left him
And after that he got sacked from his job
Lost his arm in the war, was laughed at by a whore
Ah, but sill not a sniffle or sob

His novel was refused, his movie was panned
And his big Broadway show was a flop

He got sent off to jail; you guessed it, no bail
Oh, but still not a dribble or drop

In jail he was beaten, bullied and buggered
And made to make license plates
Water and bread was all he was fed
But not once did a tear stain his face

Doctors were called in, scientists, too
Theologians were last and practically least

They all agreed sure enough; this was sure no cream puff
But in fact an insensitive beast

He was removed from jail and placed in a place
For the insensitive and the insane
He played lots of chess and made lots of friends
And he wept every time it would rain

Once it rained forty days and it rained forty nights
And he cried and he cried and he cried and he cried

On the forty-first day, he passed away
He just dehydrated and died

Well, he went up to heaven, located his dog
Not only that, but he rejoined his arm
Down below, all the critics, they loot it all back
Cancer robbed the whore of her charm

His ex-wife died of stretch marks, his ex-employer went broke
The theologians were finally found out

Right down to the ground, that old jail house burned down
The earth suffered perpetual drought

Johnny Cash, American Recordings

Lembrete

Faltam dois meses...

No saquinho das compras...

Neste arranque de Dia do Pai, os The Galarzas deixam aqui algumas propostas Primavera/Verão para encher o pacote do velho:

- um livro com um disco lá dentro...
Manu Chao & Wozniak, 'Sibérie M'Etait Contéee'

- uma revista com miúdas giras lá dentro...
FHM Portugal nº1

- uma t-shirt com piada lá dentro...
'I see dumb people' t-shirt

- um par de chinelos com ideias lá dentro...
Freudian Slippers

- um porta-chaves cheio de beleza interior...
Uglydoll Keychain

- um boneco anti-stress subversivo q.b...
Kozik Smorkin’Labbit

Uma Chávena de Chá

Pardal Maluco, Sete Solas e Cinco Gajos
- Diálogos -
(fragmento 21)

- O Eça de Queirós havia de vir cá ver isto!
- É a mesma coisa.
- Até ficava maluco.
- Eh!
- Com tanto carro, e internet, e o caraças.
- Bom, pois...Isso talvez.
- Se ele viesse cá agora!
- Se o Eça de Queirós viesse cá agora já não cheirava mal.
- Bom, pois...Isso também.
- Se o Eça de Queirós viesse cá agora já não cheirava.

18.3.05

Divulgação Galarzal

TRIBUNAL - IRAQUE
Audiência Portuguesa do Tribunal Mundial sobre o Iraque
World Tribunal on Iraq – Portuguese Hearing

Lisboa 18.19.20 Março 2005
Auditório da Torre do Tombo
Alameda da Universidade
www.tribunaliraque.no.sapo.pt

TRIBUNAL DE OPINIÃO PÚBLICA JULGA AGRESSÃO AO IRAQUE

DEPOIMENTOS
Dr Jorge Figueiredo, economista
Dr António Louçã, historiador
General Pedro Pezarat Correia
Dra Violaine Sautter, geóloga, directora de investigação no CNRS (Paris)
Professor Doutor José Manuel Pureza, professor de Direito Internacional
Professor Doutor José A. Azeredo Lopes, professor de Direito Internacional
Dr Fernando Nobre, médico, presidente da AMI
Professor Doutor Romero Gândara, médico, Associação de Médicos Portugueses Contra a Guerra Nuclear e Todas as Guerras
Dr Cláudio Torres, arqueólogo
Arq. Manuel Raposo, Comissão Organizadora da AP-TMI
Coronel Mário Tomé
Rui Pereira, jornalista
Dr António Garcia Pereira, advogado,
Joaquim Piló, presidente do Sindicato Livre dos Pescadores e Profissões Afins
Francisco Martins Rodrigues, editor


Acusamos a recepção da mensagem enviada pela i-leitora Maria da Graça Moreira, que nos pede que divulguemos
este evento.

Novo guia medicinal

O eufemismo crónico: Pequena irritação, que incomoda mas não chega para tomar medicamento

A barriga de freira: Engano terrível na profissão de fé. Remediável em Badajoz

A triagem: Homem ou mulher que quer agir por três vezes. Disturbio psicológico

A báscula: Doença comum entre os arrumadores de carros, que lhes afecta os braços

A fanfarra: Problema de alcoolismo entre os fãs de um artista

O ditongo: Pequeno problema de fala, que se manifesta sempre que a frase não vai além do monossílabo

O meu Sonho .249

O meu Sonho era humíldio.

17.3.05

Où est le Galarza?

square Montholon librairie patisserie

Retalhos de uma tarde em Paris, entre o aeroporto e o Hotel...

Um bilhete para a Amadora, se faz favor!

Pardal Maluco e Sete Solas
- Diálogos -
(fragmento 190)

- Eu devia de ir àquele gajo da outra vez e pedir para me fazer coiso.
- Quê?
- O gajo da outra vez, o padre.
- Quê?
- Sim, devia ir lá ao gajo da outra vez, aquele que não me quis exorcizar.
- Hã?!
- O padre que não me quis exorcizar...
- Tu não queres dizer escanhoar?
- Pois isso, escanhoar.
- Ah, bom!
- Devia ir ao gajo pedir-lhe, já que não me quis escanhoar, se não me podia canonizar, em vez de.

O Sonho dele LXXVI

O Sonho de Pedro Miguel Ramos é abrir o seu próximo bar em Santiago do Cacém. O nome será, obviamente, Amo-te Santiago. Coincidência (ou muito provavelmente não), este é também um dos (três!!!) nomes próprios do seu primeiro filho.

16.3.05

Os buracos do celulóide .1

Quando Vito Corleone queria saber como tomar o medicamento, consultava a puzologia.

Jovem!

Tens mais de setenta anos, carta de marinheiro e caderneta dental em dia?
Não?
Então nada feito.

Os Campeões

Sete Solas e Cinco Gajos
- Diálogos -
(fragmento 94)

- A mim faziam-me confusão, aqueles gajos que faziam culturismo e halterofilismo e o caraças...
- Hmm!
-Os gajos cheios de músculos, e depois quando era para dobrar uma carica...
- Ãnh!
- Os gajos não conseguiam dobrar uma carica. Era o gajo magrinho que trabalhava no café é que dobrava.
- Pois.
- Os gajos cheios de força... mas p'ra estas merdas, nada.
- Aquilo não era força, era só inchaço nos braços.
- O outro é que tinha, que passava os dias a carregar as grades e o caraças.
- Sim...
- Lá na minha rua havia um que era campeão de halterofilismo...
- Ah! Lá na minha rua também havia uma vizinha que era campeã de alternofilismo.

Duas citações, um só político

Às vezes um gajo não se pode rir. Mas estava a almoçar num sítio cheio de políticos e ouvi as seguintes pérolas:

"Fizeram lá um jardim, baseado naquele poema do Vivaldi, as Quatro Estações...";

"E vão lá ter um pianista..." (enquanto imitava o tocar do violino).

Isto cansa, senhores. Cansa mesmo.

A questão quarta-feira

À quarta um gajo está a meio da semana e já o fim de semana está à porta e o trabalho ainda nem sequer vai muito adiantado, porque lá na chafarica a quinta é que é dia de produzir e a sexta já entra na falda do remanço.

À quarta um gajo até tem um jantar combinado com alguém que não é muito chegado, mas acaba por desmarcar porque lhe apetece um bocado de descanso, brincar com o puto, ver televisão, ligar o computador, deitar-se a horas e ler a porcaria do livro que anda ali a moer na mesa de cabeceira há três semanas, sem passar da página 40.

À quarta um gajo começa a pensar no programa para o fim de semana e desestabiliza-se logo, ora porque já tem tudo marcado e anda à procura de um espaço para descansar ora porque ainda não há nada e lá terá que se contentar com o que aparecer.

A quarta-feira é, numa liguagem futebolística, o dia-charneira. Isto é, nem defende nem marca. Empata.

O meu Sonho .248

O meu Sonho já dorme descansado.

15.3.05

Index

Milhares de portugueses condenados às chamas do inferno...

A noite dos mortos-vivos

Pampilhosa da Serra: homem morto pela GNR tentou atropelar dois guardas.

Motor gripado, argamassa, laringite, zenóbio, ludita, panténico, rofilário, antaronímico, anestésico, fungo bolorento, madeira prensada, sucedâneo

«Chamem-me o que quiserem.»

Pedro Santana Lopes, quando questionado pelos jornalistas sobre se deveria ser tratado por presidente da Câmara, 15-03-05.

Vive la Fête

Este Galarza vai à inauguração de um novo Hotel. É um trabalho duro, mas alguém tem que o fazer... Et voilá.

Posto de escuta

Human After All

Não é um disco brilhante, mas carregue lá na capinha para fazer zapping...

«Quem não come passa fome»

Santana lopes não é um homem agarrado ao poder... Desde que tenha algum!

Santana tal

Pelos vistos, a Presidência da Câmara Municipal de Lisboa é como o Natal. É quando um homem quiser.

Ouvido na rua: conversa de gajas

- Porque é que a mim não me dão toalha?
- Ah, mas não és toalha vitalícia?
(...)
- Toma lá, vá.
- Não! Eu gosto é de lamber.
(...)
- Ai, eu gosto de variar.
- Eu cá gosto de coisas movimentadas, com ritmo...

Tópico da conversa: ginásios...

14.3.05

Os The Galarzas acusam:

Este governo de maioria, que já governa há bastante tempo, ainda não fez nada para melhorar as condições de vida dos portugueses. O tecido empresarial continua na mesma, agarrado a uma velha e gasta forma de fazer a economia. Ainda temos 450 000 desempregados sem perspectivas de futuro. As nossas estradas continuam a ser más, cheias de acidentes geográficos e de percurso. A saúde está na mesma forma em que o executivo a encontrou, com listas de espera e o monopólio dos diagnósticos entregue aos médicos. A educação já nem sabemos se de facto existe, pelo que se ouve dizer nas ruas, na televisão ou nos postos de trabalho, parece que ninguém aprendeu nada e o meu sobrinho, que tem cinco anos, ainda não sabe sequer ler o Cálamo em inglês. O ambiente está também na mesma: ainda não há consenso alargado sobre em que contentor devem depositar-se as embalagens de tetra pak; as cimenteiras continuam a cheirar mal e destruir paisagens a céu aberto. Da cultura não temos nada a dizer: não somos cultos nem nunca seremos.

Por tudo isto, e pelo que não nos cabe de momento mencionar, dizemos que já é tempo, senhor Presidente da República, de dissolver o parlamento, demitir o governo e convocar eleições, de onde saia um novo executivo que de facto não defraude as espectativas dos portugueses.

Auto-aprendizagem

A educação já está a mudar em Portugal.

And now for some... publicidade absolutamente gratuita e desnecessária

Posta Matinal



Fade Into You

I want to hold the hand inside you
I want to take a breath that's true
I look to you and I see nothing
I look to you to see the truth
You live your life
You go in shadows
You'll come apart and you'll go black
Some kind of night into your darkness
Colors your eyes with what's not there.

Fade into you
Strange you never knew
Fade into you
I think it's strange you never knew

A stranger's light comes on slowly
A stranger's heart without a home
You put your hands into your head
And then smiles cover your heart

Fade into you
Strange you never knew
Fade into you
I think it's strange you never knew

Fade into you
Strange you never knew
Fade into you
I think it's strange you never knew
I think it's strange you never knew

Mazzy Star, So tonight I Might See

Terapia

Segredos visuais ou confissões virtuais: há de tudo na net e para tudo há remédio... Vale a pena perder algum tempo com estas terapias alternativas.

13.3.05

Post do dia:

«余純順
孤身徒步走訪全中國

上海青年余純順於1988年開始,決定"孤身徒步走訪全中國",經8年的時間,背上自製的背包,克服千難萬險,風餐露宿,跋山涉水,走訪了33個少數民族的主要居住點,完成了59個探險項目。

其中一項,更以一年半的時間沿著川藏、青藏、滇藏、新藏和中尼公路走至西藏,穿越了海拔五千米(大約一萬六千呎)的"生命禁區",創下人類史上第一個孤身徒步至青藏高原的健行者,他不幸於1996 年,在進行一項夏季徒步羅布泊的壯舉中病逝(按羅布泊夏季的溫度是華氏120度以上),他徒步至西藏的經歷在他所著"余純順孤身徒步走西藏"一書中有很詳細的報導。
»

(in 香港羅布泊探險隊)

Norte

Há dias assim. Assim-assim. Que não aquecem nem arrefecem. Ainda bem que o frio voltou lá para os nórdicos, que o tratam bem. Convidam-no para um smorgasbord, como dizem os Fiordes, os habitantes desses sítios. Agasalham-no, sorriem com pingentes de gelo no nariz, prendem os ursos e matam em sua honra um caterpillar, mamífero feroz e coriáceo. Os caterpillar é que não acham graça. Se calhar por isso é que há tantos a migrar para sul.

Hoje

Hoje senti-me muito púdica. Se tivesse tomado banho estaria uma autêntica virgem.
Por isso quase nem me cocei o dia todo; mexi-me muito pouco, mas tive algumas dores nuns tendões sem os quais ainda não posso passar. Valho-me. Sou eu.

Very Sentimental

Os The Galarzas já têm namorada. Ou quase - pelo menos já (pub)licitámos o que podíamos... Agora estamos à espera. Mas estamos confiantes... Afinal, é por uma boa causa.

Cinco estrelas

Atendendo ao pedido de divulgação que nos chegou via mail, os The Galarzas aqui deixam a informação:

«Manuel Araújo e Pedro Dias novos Sub-Directores
(Área de Comidas & Bebidas e Alojamento, respectivamente)
do Sheraton Algarve Hotel / Pine Cliffs Resort
»

E agora... o convitezinho?

O Analista de Bagé

O Analista de Bagé

«Certas cidades não conseguem se livrar da reputação injusta que, por alguma razão, possuem. Algumas das pessoas mais sensíveis e menos grossas que eu conheço vem de Bagé, assim como algumas das menos afetadas são de Pelotas. Mas não adianta. Estas histórias do psicanalista de Bagé são provavelmente apócrifas (como diria o próprio analista de Bagé, história apócrifa é mentira bem educada) mas, pensando bem, ele não poderia vir de outro lugar.

Contam que outra vez um casal pediu para consultar, juntos, o analista de Bagé. Ele, a princípio, não achou muito ortodoxo — 'Quem gosta de aglomeramento é mosca em bicheira...' —, mas acabou concordando.

— Se abanquem, se abanquem no más. Mas que parelha buenacha, tchê! . Qual é o causo?
— Bem — disse o home — é que nós tivemos um desentendimento...
— Mas tu também é um bagual. Tu não sabe que em mulher e cavalo novo não se mete a espora?
— Eu não meti a espora. Não é, meu bem?
— Não fala comigo!
— Mas essa aí tá mais nervosa que gato em dia de faxina.
— Ela tem um problema de carência afetiva...
— Eu não sou de muita frescura. Lá de onde eu venho, carência afetiva é falta de homem.
— Nós estamos justamente atravessando uma crise de relacionamento porque ela tem procurado experiências extraconjugais e...
— Epa. Opa. Quer dizer que a negra velha é que nem luva de maquinista? Tão folgada que qualquer um bota a mão?
— Nós somos pessoas modernas. Ela está tentando encontrar o verdadeiro eu, entende?
— Ela tá procurando o verdadeiro tu nos outros?
— O verdadeiro eu, não. O verdadeiro eu dela.
— Mas isto tá ficando mais enrolado que lingüiça de venda. Te deita no pelego.
— Eu?
— Ela. Tu espera na salinha.»

(Luis Fernando Verissimo, in O Analista de Bagé)

Mimi

Depois de buscas imensas encontrei a foto que mais me favorece:
EU.

Bichinho

O meu animal de estimação.

12.3.05

Saturday à Noite *



Sugestão para qualquer noite de Sábado, estejam os espíritos em que estado estiverem.

*Este medicamento não necessita de receita médica e pode ser tomado a qualquer altura, em qualquer quantidade. Não leia o folheto informativo. Dissolve-se com whisky.

000

O agente 000 não veste fatos de marca, combate em fato de treino. Vou correr com o crime, diz com um sorrisinho malandro e confiante, enquanto ajusta as meias brancas de algodão e faz uma nota mental para se lembrar de comprar o passe social. É duro ser herói sem orçamento.

Uma pergunta difícil



Já se sabe que é só uma questão de retórica e que a resposta terá de ser o Yes, ainda que muito renitente, para se cumprir a obrigação do cidadão respeitador. Mas a que custo, quando cabeça, tronco e membros nos gritam para premir em No? E é só para não responder com maus modos, para não ser mal educado.

O Sonho dele LXXV

O sonho de Santana é explorar mais um pouco o Câmara-Sutra.

Bird



O saxofone alado voou há 50 anos.

Clarice Lispector



«Era uma galinha de domingo. Ainda viva porque não passava de nove horas da manhã.» (Ler tudo, descobrir Clarice e o futuro da galinha...)