29.2.04

Poema de: Guy Chadwick

Hope

Well there's no love lost
Not a single hour
And we don't fake miracles
We can't part waves
So go and suck on the sea
And just watch me breathe
It's perverted and spiritual
I like to watch things bleed
Hope is the word, that you say anyday
It's a dream and it's screams in your head
Well it's a deep blue sea
an impossible dream
But don't get physical
Assault is greed
Shuffle in dust
Or just hang around
He wants to chain and shackle you
He's gonna dance and scream
Hope is the word that you say anyday
It's a dream and it's screams in your head, in your head
It's a lie on a seat of a night
When you're bawling like a baby so alone
Like a baby - it's not right

Poema de: Paul Verlaine

Ariettes Oubliées III

Il pleut doucement sur la ville.
Arthur Rimbaud

Il pleure dans mon coeur
Comme il pleut sur la ville;
Quelle est cette langueur
Qui pénètre mon coeur?

Ô bruit doux de la pluie
Par terre et sur les toits!
Pour un coeur qui s'ennuie
Ô le chant de la pluie!

Il pleure sans raison
Dans ce coeur qui s'écoeure.
Quoi! nulle trahison?...
Ce deuil est sans raison.

C'est bien la pire peine
de ne savoir pourquoi
Sans amour et sans haine
Mon coeur a tant de peine!

O sonho dele XVII

O sonho de Erasmo era uma grande loucura.

Noite de RAsc oScar Sacor

A propósito de subjectividade: quais serão os critérios de escolha que os hollywoodos têm (além de ser obviamente americano) para escolher o melhor filme do ano? Objectivamente?

É hoje à noite lá na terra do exterminador que os moços vão fazer a entrega dos prémiozinhos do cinema - um amigo meu tinha um que custou 300 paus numa loja de chineses. Vai ser bonito e colorido, vai ter senhoras muito bem vestidas com exclusivos que custam mais do que uma casa em Lisboa e que nós esperamos tenham bons decotes e mostrem muita chicha. As senhoras telespectantes vão ter menos sorte: os senhores levam fatos completos que não revelam nada.

O camarada do costume vai dizer umas piadas que este Galarza não reproduziria nem sob coacção.

A propósito... Este Galarza seguindo uma das suas muitas, belas e antigas tradições, não irá assistir ao grande evento.

Pós Escrito: As películas publicitadas por essa academia de pessoas também não fazem parte da nossa lista de casamento.

Pá, é naquela.

(como diria a puta da subjectividade, numa das mais eloquentes críticas de discos que este colega já leu.)

28.2.04

«Poema de: Eustáquio Pinho, Mestre Nestor Alvito, Óscar Machico e Idálio Juvino...

...escrito a quatro mãos, pois que nenhum dos poetas é ambidextro, na vila de Mogadouro no Outono de 1996. Era suposto ser um cadáver esquisito. Só que a ironia, o destino e o adiantado da hora, por vezes, só permitiam fazer o cadáver, outras... o esquisito. É o que sucede com este poema no qual os quatro irmãos, em verso, não querendo dizer nada, conseguem fazê-lo num estilo que fará escola.»
Monsanto Guedes

Dezgarrada

A flatulência perdida
Interessa ao nariz traseiro
É de odor interessante
Avestruzes obtusas
Cantarolam roliças
E... interesseiras
Garibaldi estreava-se
No Teatro de Assumpção
Com uma folha num pé
E outra na mão
Com um pé no estribo
E o estrume no estábulo
E a audiência em ovação
E a galinha em ovulação
Em Barcarena, pela noite
Virgem Maria tem zanga
A cristaleira de José
É forrada a denim e ganga
Alimárias cansadas
Alicerçadas pela bruma
(Só uma)
artrite dos dias
No colo de uma língua
Fria, um salto, desordenado
Protege e procumbe no
Caminho das fontes velhas
Matisse toca a pianola
A quatro mãos e com a cabeça
Não lê a pauta, tem pinta
Toca antes que se esqueça
Instantaneamente, lembrou-se
Do capitão Haddok. Mas
Maribela não tinha mais
Hímen que o atraísse.
Castafiori sucumbiu.
Ele, atento, não viu.
Mas de copo na mão
Sorriu ao de leve
E cismou
Onde foi a maçã de então?
Em sua imensa senectude,
Pluvia e tranquila
Pela estrada do cascalho solto
Tomava-se os ares de uma janela de foice
Gazua gazua abre essa gazela
Filha da savana, sacana
Correu desmedida e espetou os chifres
No tronco; e ali ficou esquecida.

Tudo vai mudar. Mesmo tudo



Em breve The Galarzas vão revolucionar as séries
sobre hospitais. Rigorosamente a não perder,
como diria Mário Crespo

27.2.04

Saldos. Rebajas. Sale

A melhor banca de fruta do Bairro Alto está em SALDOS. Hoje já lá fui e vim de saquinho cheio... Lá dentro vinham estas hortaliças, entre outras couves de apreço:

The Beau Hunks & the Metropole Orchestra: Our Relations Mondriaan Quartet: The Girls Collection Danny Cohen: Museum of Dannys Mark De Gli Antoni: Horse Tricks

A Ignorância

Diálogos com: Cinco Gajos
(fragmento 87)

«Se um é o ignaro cacique da estupidez, o outro é o latifundiário da ignorância.»

(Adenda de 01/03/04 - O IGNARO está devidamente corrigido).

Eloquência

Hoje não tenho nada para dizer. Sendo assim...

... (suspiro)

26.2.04

Nobreza Portuguesa Afamada Concerteza

Conde de Monte-Cristo-Rei, Almada

Duque de Palmela D.O.C.

Príncipe, no Porto; Fino, em Lisboa

Condessa de Séguros Fidelidade

Conde Barão, veste Lisboa e qualquer outra região

Finalmente, ela

Cantada

Raquel Santos, programa «Entre Nós», RTP 2: e RTP África. Estamos rendidos


Eu ouvi dizer
que você assim
como quem não quer nada
perguntou por mim

Agora
Logo agora
Justo agora

Eu ouvi você
me dizer que sim
mas era silêncio o que se ouvia
quando dei por mim

Agora
Logo agora
Justo agora

Eu ouvi você
me dizer que sim
mas era silêncio o que havia
quando dei por mim

Agora
Logo agora
Justo agora

Eu ouvi dizer
que você assim
como quem não quer nada
perguntou por mim

Apresentando Euclides Cavaco



O festival da canção
Deixou-me desiludido
Por a canção portuguesa
Nem um voto ter merecido.

Que triste noventa e sete
No certame em Dublin,
Foram sempre maus os votos
Mas nunca tão maus assim.

Foi grande a desilusão
Mas já era de prever
Porque a canção escolhida
Não devia concorrer!…

Foi mesmo "Antes do Adeus"
Seu título era certeza
Não iria muito longe,
Esta canção portuguesa …

Ao fazer o apuramento
Critério tem que haver mais
Ou então deixar para sempre
De entrar em festivais …

É tempo de procurar
Agir com inteligência
E nestas competições
Deixar de haver preferência.

Para aqueles que decidem
Aqui fica a sugestão
De fazerem melhor escolha,
No RTP da canção!…

Que haja mais solicitude
Se concorrerem mais vezes
P'ra que a canção portuguesa
Prestigie os portugueses!…

A propósito da Bellucci


Vem ai um livrito, assim para o romance histórico, ficcionado, mas com alguma graça. Este Galarza leu a versão em amaricano e gostou da ideia. A tradução portuguesa está aí a rebentar. Chama-se a obra «The Da Vinci Code», e pode ser encontrada aqui, aqui (falta um mês), ou, para ou mais dengosos, aqui.

25.2.04

Ó Paixão

O novo filme de Mel Gibson - o polémico The Passion Of The Christ - é tão católico, tão católico... mas tão católico, tão católico, tão católico... que tem a Monica Bellucci a fazer de Maria Madalena.

Maria, tu, a abençoada, a quem vou aperfeiçoar em todos os mistérios do alto, fala com franqueza, tu, cujo coração está mais voltado ao reino de céu do que todos teus irmãos. (Pistis Sophia, livro 1, cap.17)

Pois, sendo assim, até se percebe...

24.2.04

Poema de: Idálio Juvino

Raquel

O teu passar flavífluo
roubou-me a desatenção
ao trabalho de organizar
os cômoros sobre a terra.

Lábios de som melífluo,
os teus, Raquel, sussurram
nos meus ouvidos
a música do calor duro
da planície cor-de-ouro
do teu sorriso.

Teus cabelos fiados de mel
raiando luas-cheias
do Agosto alentejano, Raquel,
refulgindo e cegando ao acaso,
arrojando-me em odores
e em pensamentos
de um ideário que eu
tinha repudiado, ou perdido.

Idálio Juvino, "A Monte", A Coruña, 2004

«Antologia da Selecção Especialmente Escolhida de Aforismos», por Óscar Machico

Série inacabada, parte final

Respeite-se a etimologia: tranquemos os políticos nas cidades.

Carna val

A Carne Vai?
-Alguma iria e com muito gosto, pela parte que me tocasse. Mas não vai.

Carna val

A Carne Vai!
-Pois claro, é sempre a parte mais fraca que vai na frente.

Poema de Tozé Brito

Olá, tu por aqui?

- Ela saiu, não sorriu, mal me olhou, mas deixou ficar
O nosso amor pelo chão para eu arrumar
Deixou a dor a correr e a saudade na nossa mesa
Deixou o amor por fazer e a tristeza no ar

- Quando ela entrou, e sorriu-me, e olhou-me, não deixou ficar
O nosso amor pelo chão para eu arrumar
Pôs a ternura a aquecer toda a noite à lareira
Pôs o amor a correr e a alegria no ar, para eu cantar:

- Olá! Tu por aqui?
- Olá... então como vais?
- Tudo vai bem?
- Olha, tudo vai mal para mim.
- Mas tudo vai mal porquê?

- Foi um amor que eu perdi,
Ela partiu, eu fiquei...
Se a encontrares, diz-lhe que eu estou por aqui
- Se a encontrar, direi.

- Ela saiu, não sorriu, mal me olhou, mas deixou ficar
O nosso amor pelo chão para eu arrumar
Deixou a dor a correr e a saudade na nossa mesa
Deixou o amor por fazer e a tristeza no ar

- Ela voltou, e sorriu-me, e olhou-me, e não quis deixar
O nosso amor pelo chão para eu arrumar
Pôs a ternura a aquecer toda a noite à lareira
Pôs o amor a correr e a alegria no ar, para eu cantar:

- Olá! Tu por aqui?
- Olá, então como vais?
- Tudo vai bem?
- Não, tudo vai mal para mim...
- Mas tudo vai mal porquê?

- Foi um amor que eu perdi,
Ela partiu, eu fiquei...
Se a encontrares, diz-lhe que eu estou por aqui
- Se a encontrar, direi.

Bonito, bonito...

...são as canções do Tozé Brito.

Eu é que sou o presidente da Universal...

O exemplo...

...deve vir de cima, não é? Assim é que é bonito, não é?

Sinal de trânsito? Qual sinal de trânsito?

Em Trudo

O carnaval
Tem a mais
consoante e vogal

Basta.
Chamei-lhe
Carnal.

de Eustáquio Pinho, Fla-Flu e Outros Poemas, Meninas Gerais, Brasil, 1994

Paulo Portas no Carnaval do Rio


Ah! Folião!

23.2.04

«Antologia da Selecção Especialmente Escolhida de Aforismos», por Óscar Machico

Série iletrada, parte G

O coveiro apátrida é a personificação do paradoxo: sem terra, enterra.

Pré-publicação da «Antologia da Selecção Especialmente Escolhida de Aforismos», por Óscar Machico

Série não numerada, parte 36

O caroço da azeitona tem propriedades calmantes, diziam os antigos.
Muitos se engasgaram com ele e ganharam paz eterna.

Mensagem para os do blogue que 'tá ali

Os The Galarzas passaram hoje pela casta post-ále de onde leitaram as cartinhas dos seus muitos lei tores. Os The Galarzas agradecem ao galárzico e-leitor/camarada/colega de blogágem, o Rvmº. aqui-tao-perto, pela tralha enviada, aquela dos cigarros, é boa. Já conhecíamos mazo que conta é a 'ntenção. Obrigados. E por ter posto tamãe um link aí na casa cá p'rá casa. A sério que a gente não faz dif'rença. A sério. Não tem de quê.

Rubrica de G Astronomia

Entrada de Meteoritos
Ingredientes:

1 Cometa (Extra-solar, se possível)
1 Buraco Negro
500 Tons. de Meteoritos
2 Anéis de Saturno

Lave muito bem os meteoritos depois de raspar a superfície carbonizada. Reserve.
Corte a cauda do cometa e passe-o durante três milhões de anos pelo meio buraco negro para eliminar o metano. Toste-o ligeiramente num núcleo em fusão, e junte aos meteoritos. Decore com os anéis de Saturno.

Semeaides e colhereides

A Direcção-Geral de Produtos Hortícolas e Afins publicou hoje as suas previsões para o ano de 2004. O anunciado crescimento médio de 4% no grupo de Clorofilinas, Talosas e Leguminosas, e de 6% nas Troncudas, Foliáceas e Celulósicas justifica o entusiasmo das associações do sector.

Ministérios 1ª Posta, II Série

Ministério dos Mealheiros
-Aviso-


O Ministério dos Mealheiros faz saber que partir da data de publicação deste aviso, o uso de martelos, macetas, escopros, facas de cozinha, chaves de fendas, e outras ferramentas ou objectos cortantes está absolutamente interdito.
Uma vez que a cola não passa de um fraco paliativo, o Ministério dos Mealheiros recomenda a abstinência ao delapidar de diamantes.

O Fenómeno

Finalmente uma boa notícia: o Entroncamento vai ter um parque temático dedicado aos seus fenómenos! Uma boa ideia - o que, já de si, é fenomenal (apesar da polémica)... Isto até parece a América. Nós, curiosos The Galarzas, estamos com a ideia e prometemos visitar o dito parque.

(E já agora, um saravá ao senhor Brito.)

Tragédia no País dos Bushes

O Público não deixou escapar a grande tragédia destes dias tristes, cinzentos e conturbados: MORREU A CADELA DE GEORGE W. BUSH! Ó tragédia... Ó martírio...

«A cadela do presidente norte-americano George W. Bush, "Spot", morreu no passado sábado. Filha de "Millie", a cadela de George Bush, pai do actual presidente americano. "Spot" era uma springer spaniel inglesa e tinha nascido na Casa Branca em 1989.

Em comunicado divulgado pela Casa Branca, é revelado que "Spot" era uma "companheira leal e afectuosa", tendo sido "uma querida integrante da família Bush por quase quinze anos". "O presidente, a senhora Bush e a família Bush estão profundamente entristecidos com o acontecido".

Apesar da morte de "Spot" - que finalmente poderá descansar em paz, depois de quinze anos com a família Bush -, a Casa Branca continuará a contar com a presença de dois animais de estimação: o cão "Barney" e o gato "India".
»


Ah... tanta coisa se poderia dizer sobre a consternação dos Bushes, tanta boca se podia mandar aos dois animais da Casa Branca... Mas não. Fica para outro dia.

Esperem...

...parece que «a blogosfera voltou a ter na semana passada mais um problema de consciência», diz o Público.

17 anos depois

Bem vindo, Horacio Ferrer



Woody Allen

Woody Allen, quiero verte en Buenos Aires,
ruso piola y atorrante de Manhattan,
con tu cara de gilastro,
y tu corazón en llamas,
te veo por Corrientes palpitando
nostalgias que hacen mal, pero son lindas:
Buenos Aires, viejo Woody, es una mina
de la que ya never more escaparás.

Verás, che Woody Allen
tu biógrafo en porteño,
cuando Hugo del Carril de la pantalla se salía
por darle una alegría de amor a Doña Nadie
y el cielo era la vieja vigilando junto a Dios.

Verás a las mellizas
New York y Buenos Aires,
bellísimas y neuras como niñas inmortales,
cambiando amor por sexo y a los cafés por bancos,
bailar el tango al ritmo de tu rubio bandoneón.

Woody Allen, tengo ganas de abrazarte
contemplando que el final del siglo veinte
es un show de funerarias:
Chernobyl, El Golfo, El Sida.
Y, al fin, si es inmoral seguir con vida,
vení, que aquí están Groucho y Pepe Arias
y nos vamos a morir, pero de risa,
para dentro de dos siglos despertar.

Verás, che Woody Allen
tu biógrafo en porteño,
cuando Hugo del Carril de la pantalla se salía
por darle una alegría de amor a Doña Nadie
y el cielo era la vieja vigilando junto a Dios.

Verás a las mellizas
New York y Buenos Aires,
bellísimas y neuras como niñas inmortales,
cambiando amor por sexo y a los cafés por bancos,
bailar el tango al ritmo de tu rubio bandoneón.

Tango vuelve


A menina, dança?

22.2.04

diarreia

diarreia
- s.f. evacuação intestinal que se repete, em regra, com frequência maior que a normal, e em que as fezes são pastosas, semilíquidas ou líquidas; > soltura, corrença
(Do gr. diárrhoia, fluxo do ventre, pelo lat. diarrhoea-, "diarreia")

O Barco do Amor

The Galarzas sabem que uma estação de TV nacional de prepara para filmar a versão portuguesa da popular série «The Love Boat». Eis sugestões para o título:

- O Cacilheiro da Trancada
- O Rebocador do Pirafo
- O Catamarã do Engate
- A Canoa do Esgalhanço
- O Bacalhoeiro do Roçanso


Sugestões para o e-mail habitual.

Latido da Zona Norte

Rica vila, fantástica farra
pagodinho e guitarra
Quero saber
Se a senhora do Canadá
Estará
Disposta a contar o que viu
Dentro do seu diu
Apresentam credenciais
Nas instâncias
Internacionais

Nada vale para sempre
Embora haja quem guarde
Ainda no colchão
O passado em dona maria
E conta-as ao serão
Netos, filhos pródigos.

Despedem-se nos andares
Sui generis
Reconhecem parceiros
Sexuais, apenas
Pelos anais
Pêlos

Esta voz não é para ti,
E com pinças tiras
Da carripana dos cachorros quentes
Toalhas ferventes de aroma a limão
Para que sua excelência

(Sua excelência não está)

de Eutáquio Pinho, 750cl Depois, nas margens de Oban, Escócia, 1973

O repórter desportivo em crise de meia idade

Hoje, depois da derrota dos encarnados, pulava o nosso já reconhecido repórter desportivo: «Bate-me no peito e chama-me Tarzan».

Ninguém respondeu.

O diário de Hortênsio Flor

Foram recentemente descobertos por dois esquecidos investigadores da cultura nacional - Dr. Heitor Antunes e Professor Sacavém dos Santos - rascunhos e rabiscos do famoso e há muito procurado Diário (inacabado) de Hortênsio Flor, funcionário público, filósofo nas horas vagas, poeta nas horas mortas.

Em breve, esta tertúlia terá a suprema honra e o orgásmico prazer de começar a publicar as lendárias palavras perdidas de Hortênsio Flor (tal como já fez, aliás, com com a obra de Monsanto Guedes e Homem Basco e com os versos de Eustáquio Pinho, Idálio Juvino, Óscar Machico, Mestre Nestor Alvito, Carolina Dulcídia, Mestre Trovador Ruy de Vasconcellos e Annaes do Reino, entre outros). Atentem.

Haiku em Série de Mestre Nestor Alvito

Sequela
[Mote em The Haiku (Blog)Spot]

Beijas-me a face
com a doçura
do teu amor

Lambes-me o peito
com a ânsia
do teu amor

Abres-me a braguilha
com a fome
do teu amor

Comes-me o sexo
com a voragem
do teu amor

Atacas-me o corpo
com a ganância
do teu amor

Aceitas-me em ti
com a dádiva
do teu amor

Deixas-me gasto
com o orgasmo
do teu amor

Beijas-me a face
com o cansaço
do teu amor

Abraças-me para sempre
com a força
do teu amor

Pergunta

-Ãnh!?
Perguntou-me um filósofo conhecido meu aqui há dias, enquanto eu tentava explicar-lhe a minha predilecção pelas poesias e pelas coisas intuitivas e irracionais em geral.

A Bola

Só para quem gosta de ver a bola. E rever a bola. E rever. E rever. E rever...

Préce Rilize

Na verdade, não temos nada contra os senhores (e quem gosta de hip hop há-de dar-lhes valor), mas o Press Release que anda a chegar à imprensa é simplesmente genioso. Ora comprovem:

Sim, é verdade: somos sexy, e depois?

«GPROFAM é um grupo de HipHop moçambicano composto por MC 2 Caras, o MC/Produtor 100 Paus e o produtor DJO.

É o primeiro álbum de HipHop moçambicano feito em terras moçambicanas, intitulado "Um Passo em Frente". Contém 12 temas, todos originais e cantados em português.

"Jardins Proibidos pt.2" e "País da Marrabenta" são os singles de estreia deste álbum. "Jardins Proibidos pt.2" é uma dedicação a Sara Tavares e Paulo Gonzo por parte do trio moçambicano.

Destacam-se ainda "África", "Vida Fria", "GPRO Show" e "Até ao Fim".

O grupo caracteriza-se pelas mensagens sociais e políticas que transmite e pela facilidade da utilização das palavras. Os Rappers deste colectivo têm mesmo um flow bastante dinâmico, misturando o português e inglês com mestria.

Recentemente o som "País da Marrabenta" foi censurado pela Rádio Capital tal incomodo provocou na classe politica e nos detentores do poder moçambicano.

GPROFAM esteve no primeiro lugar do Top Terremoto com a música "GPRO Show" ultrapassando nomes de artistas conhecidos como Grace Évora, Patrícia Faria, Dog Murras, Edna Cardoso, entre outros.»


PS: Para comprovar o «flow» do duo... perdão, do trio... eis o refrão do hit «Jardins Proibidos pt.2»:

Oh, ah, esta noite é só pra eu e tu
Ah, quero ser a tua baby blue
Ah, ninguém mais me deixa louca assim
Ah, tu ru ru, ru tu tu...

Mais uma do repórter desportivo

Está uma pessoa descansada, a arrumar as coisas para ir para casa, quando da mesa ao lado o nosso já conhecido repórter desportivo grita para a televisão, depois de uma jogada menos conseguida de uma equipa internacional:

«Oh! Filhos de um refogado de esperma».

Assim anda o jornalismo em Portugal.

21.2.04

Lista de compras

Passada a tarde entre hipermercados, centros comerciais, bancos e feiras de livros em fim de edição (a Gare do Oriente é uma verdadeira caixinha de surpresas, diria Forrest Gump), este Galarza trouxe na mão os seguintes:

Subsídio, Suicídio, Ostras Geladas, de Autor Anónimo (Frenesi) - 5€;
Tratado das Receitas Fantásticas, de Josep Maria Gorrís (Fim de Século) - 7€;
A Vida Sexual das Divas de Hollywood, de Nigel Cawthorne (Livros e Livros) - 7,50€.

Em anexo (concubinato oblige), vieram:

Lolita, de Vladimir Nabokov (Abril/Controljornal) - 1,50€;
(Cozinhar Melhor) Legumes: o Grande Livro de Cozinha Ilustrado, de Annette Wolter (Civilização) - 7,50€.

Já dizia o Tal, «boa noite e bons livros».

Luto

Antes que alguém diga alguma coisa: viva o BELENENSES! Repita cinco vezes.

O perigo dos aligeneas

Carta de um leitor a um jornal. A última palavra ameaça o léxico, mas abre um mundo de novidades. Ei-lo:

«Muito bem, que haja alguém que trave estes absurdos da sociedade moderna, que exista homosexuais ou lésbicas cada um do que gosta, de acordo, agora casamentos e adopção de crianças é completamente rediculo, um verdadeiro atentado à humanidade, não somos aligeneas...»

Não somos, não senhor. Aligenea é que nunca.

Os sábados

Exemplos de notícias que este sábado nunca serão notícia, mas que as agências mandam:

- Viana do Castelo: Mega-comboio de chocolate em "construção" no shopping;
- Cabo Verde: Primeiro bispo ordenado em 500 anos no arquipélago;
- Cachimbos: A arte de ir às raizes e vendê-las por muitos euros.

Conhecimento Empírico

O pai de um Galarza é uma ilha rodeada de Alentejo por todos os lados.

Perguntas de interesse Teológico III

Quando se diz que os anjos não têm sexo fala-se da morfologia ou de uma incapacidade vergonhosa, confrangedora, total, de sacar gaj@s?

A resposta que se impõe (private joke, passe à posta seguinte)

turage!

O meu pai telefonou-me

e disse: «Olha lá, tu já pensaste que esta história do Santana é cruel demais para ser verdade?». Antes, tinha-me dito: «Sabes, agora que ando aqui no campo tenho mais tempo para pensar». E depois de, com maldade, me recordar que vive rodeado de plantas, animais, terra alentejana, queijo e vinho, lança a teoria: «Eu acho que isto é combinado entre eles. O Durão e o Cavaco mandam o Santana para a frente. Ele faz este papel completamente ridículo, mas vai provocar uma aceitação do Cavaco quase como salvador, como o verdadeiro candidato de centro-esquerda-direita. Isto é maquiavélico, mas estes gajos são capazes de tudo pelo poder».

A conversa demorou aí uma hora, mas o sumo foi este. A seguir liguei a um deputado da maioria (que me atura e que é uma dessas «fontes próximas») e ele lá ficou a cismar no plano filho-da-mãe. E já na sexta começou a fazer perguntas lá na Assembleia.

Eu, de folga, fiquei a pensar na frase: «Sabes, agora que ando aqui no campo tenho mais tempo para pensar».

«Fiquem com Deus»

Clique aqui p'ra ir p'ró Seu

A pergunta que se impõe

Mas quem é a Raquel Santos, pá?

Protesto

Este Galarza lamenta e reprova profundamente o facto de não ter sido consultado para a concepção da grelha de programação da 2:.
De uma forma absolutamente inaceitável não lhe foi possível apresentar, em sede própria, por causa de causas às quais se sente perfeitamente alheio, a sua proposta de projecto televisivo para esta canalização televisiva. Por isso, o país inteiro irá ficar, naturalmente, privado do que iria, certamente, tornar-se no melhor programa de sempre na história da rádiotelevisão. Referimo-nos, é claro, ao tão ansiosamente esperado RAQUEL SANTOS, documentário musical da responsabilidade de Raquel Santos, apresentado por Raquel Santos.

Este é um protesto formal, sem apelo, nem embaraço.

O Impiedoso Malaquias

O impiedoso Malaquias não gostava nada de pagar impostos, mas lá preenchia o seu impressozinho a declarar o R.S., para acertar as contas do I.R.S.. Era um impresso do modelo 1677. Agora, desde que Portugal está em acção, Malaquias passou a ter que preencher os modelos 1840, 1841 e 1848.

Moral da história: Em Portugal seja Inverno ou Verão, o que conta é a burocratização.

Proposta de programação da 2:, pelos The Galarzas

07:00 NÓS, com Raquel Santos
07:30 ZIG ZAG, com Raquel Santos
11:00 POR OUTRO LADO(R/), com Raquel Santos
12:00 TUDO EM FAMÍLIA(R/), com Raquel Santos
13:00 BASTIDORES(R/), com Raquel Santos
13:30 EVOLUÇÃO(R/), com Raquel Santos
14:30 EURONEWS, com Raquel Santos
15:00 MAGAZINE(R/), com Raquel Santos
15:30 ENTRE NÓS, com Raquel Santos
16:00 TUDO EM FAMÍLIA, com Raquel Santos
17:00 HORA DISCOVERY, com Raquel Santos
17:50 A FÉ DOS HOMENS, com Raquel Santos
18:30 CAUSAS COMUNS, com Raquel Santos
19:30 ZIG ZAG, com Raquel Santos
20:30 SABRINA, A BRUXINHA ADOLESCENTE, com Raquel Santos
21:00 MAGAZINE, com Raquel Santos
21:30 JORNAL 2:, com Raquel Santos
22:00 A ALMA E A GENTE, com Raquel Santos
22:30 BOMBORDO, com Raquel Santos
23:05 PALCO, com Raquel Santos
00:15 HORA DISCOVERY, com Raquel Santos
01:10 MAGAZINE(R/), com Raquel Santos
01:35 BASTIDORES(R/), com Raquel Santos
02:10 EURONEWS, com Raquel Santos
03:30 TELEVENDAS, com Raquel Santos
06:30 EURONEWS, com Raquel Santos

Poema de: Mário de Sá-Carneiro

Álcool

Guilhotinas, pelouros e castelos
Resvalam longemente em procissão;
Volteia-me crepúsculos amarelos,
Mordidos, doentios de roxidão.

Batem asas de auréola aos meus ouvidos,
Grifam-me sons de cor de perfumes,
Ferem-me os olhos turbilhões de gumes,
Desce-me alma, sangram-me os sentidos.

Respiro-me no ar que ao longe vem,
Da luz que me ilumina participo;
Quero reunir-me, e todo me dissipo-
Luto, estrebucho...Em vão! Silvo pra além...

Corro em volta de mim sem me encontrar...
Tudo oscila e se abate como espuma...
Um disco de ouro surge a voltear...
Fecho os meus olhos com pavor da bruma...

Que droga foi a que me inoculei?
Ópio de inferno em vez de paraíso?...
Que sortilégio a mim próprio lancei?
Como é que em dor genial eu me eternizo?

Nem ópio nem morfina. O que me ardeu,
foi álcool mais raro e penetrante:
É só de mim que eu ando delirante-
Manhã tão forte me anoiteceu.

Paris 1913, Maio, 4

O impiedoso Malaquias

O impiedoso Malaquias já sabe porque voltou a ser detido João Vale e Azevedo: não deixou as soluções para as palavras cruzadas no último boletim da cadeia.

Moral da História: O sol aos quadradinhos nem sempre tem solução

Perguntas de interesse Teológico II

A violação da Via Sacra sem o respectivo identificador também era punida por lei?

20.2.04

Perguntas de interesse Teológico

Se o Homem foi criado à imagem e semelhança de Deus, isso quer dizer que o Senhor também produz secreções? E que também tem que lavar o sovaquinho por causa da transpiração? E que gasta em média 31€ por cada Inverno para comprar lenços de papel, para limpar o nariz? E também espreme as borbulhas?

O sonho dele XVI - Adenda

Diálogos com Pardal Maluco
(fragmento 3021)


-Eh, pá! Já que vais ser um casal, podias ser a família inteira.
-Ãnh?!
-Sim a família toda.
-Como é que é isso?
-Podias ser também os vossos filhos.
-Era só que me faltava, andar a trabalhar para sustentar a malta toda, mulher e filhos. E ainda ter que aturá-los, e trocar fraldas, e o caraças. Nem pensar!

Fantástico, melga!

Já pré-começou na segunda-feira, mas hoje é que arranca a sério...

The Texas Chainsaw Massacre Cabin Fever Wrong Turn House of 1000 Corpses

Aí está o Fantasporto 2004! Venham eles: os monstros alienígenas, os vampiros homossexuais, os serial-killers fora de série, as lésbicas canibais, as vísceras, o sangue, o gore, o horror, o medo...

Tenham medo. Tenham muito medo!

19.2.04

Alguns discos para o início do ano

Bobby Conn (And The Glass Gypsies): The Homeland Edson: Every Day, Every Second Einstürzende Neubauten: Perpetuum Mobile

Gomo: Best of Gomo Lori Carson: Stolen Beauty All You Need Is Lisboa

Na privacidade, Publicidade

Risos

«A minha namorada morreu de riso ao ver-me fazer uma das minhas caretas. Os amigos dela foram compreensivos e disseram-me que não me devia sentir culpado, que ela havia de ter gostado de morrer daquela maneira. Não estavam lá, quando a sua gargalhada musical se transformou em sufoco, em ronco, em estertor. Quando terminei o luto, encontrei uma nova e bela rapariga para amar. Morreu a rir-se de uma piada minha sobre os seus pés. A seguinte faleceu de maneira semelhante. A minha última namorada não morreu, abandonou-me. Dizia que nunca nos divertíamos um com o outro, que queria um homem com sentido de humor.»

Dan Rhodes, A Namorada Portuguesa e outras 100 histórias, Gótica

Bife de Vácuo

difícil
é pensar em nada
pois até nada é algo
por ínfimo que se apresente
nas esquinas neurónicas do miolo
quem pensa em nada é tolo?
santo? frio ao espanto?
fogo em amianto? nem tanto
basta dormir
largar em profundezas
cargas poucas mas pesadas
miudezas

Óscar Machico, in «Piano a preto e branco», Edições Filho da Pauta, 2000

Deitados, Populares: XI

Pedro & Inês.

Só dades

Onde andas tu Malaquias?

Green green green

Lembram-se da teoria do oásis?
Era verdade.
O verde está em estádios,
o resto é deserto.

A nossa musa anda aqui

Soslaios em tons de saber. Clique para (a) ver.

Olhá auto-promoção:

HaikuCessna de Queirós

A tragédia
do crime do padre Amaro
da Costa


DISPONÍVEL, P'LO IRMÃO CARDINAL CESTO, AQUI.

Aviso romeno

«Vou levar a escada agora», disse, olhar grave, balde e esfregona na mão. Nas horas seguintes ou não saíamos ou saltávamos das varandas para a rua.

póstumo

Um abraç(i)o p'ró Acácio.

Rato Mickey loves Cocas

Eu é que sou o presidente.É tão difícil ser sexy...

O Sonho dele XXII

O sonho da irmã Lúcia era ter sido tia.

Musa oficial

Em breve (assim que sacarmos foto da dita) The Galarzas apresentarão aqui a sua musa oficial.

O Sonho dele XXI

O sonho do Falcão era aparecer nas estatísticas da televisão.

A Raquel, primeira paixão em cristal líquido



Atiças de informe olhar
A gaguez que descreves
Como desculpa,
Se te miro
Admirado,
Pela melena loira que
Adejas.

Farei de ti tágide
Farei de ti tudo
Se de um ar em pacto com os anjos
Sobrevoas de molde antigo
Em camisola soalheira
As curvas da minha insegurança

Farei de ti
A simbólica paragem cardíaca
Dos apaixonados.
Farei tudo por gestos.
Será de dia,
Terá a hora legal
Batido as duas,
Passarão por aqui milhões de pessoas em velocidade acelerada,
eu quedo.
Mais parece que não me movo mas até um desatento olhar me consola, se mo deres, se mo deixares,
Até um sereno adeus em sobrescrito,
sem que nos conheçamos,
contentará o desejo.

Do cotovelo da Terra
Espero-te
Vinda em naus de marujos com
Laranjas de oiro
Para te curar com o sabor citrino
Com o sumo de fruta nos lábios
O negro profundo do teu
Misterioso e angelical
Erotismo.

de Eustáquio Pinho, Verniz de Mel, Base Lunar Alpha, 1999

O meu Sonho .100

O meu Sonho concretizou-se.

18.2.04

O meu Sonho .99

O meu Sonho deve manter-se em local seco e fresco.

Defeito de Resposta

Os The Galarzas não leram a crítica do Público ao livro sobre a vida de Maria Lamas, jornalista «durante mais de 20 anos, no Suplemento Feminino Modas e Bordados do jornal "O Século"», mas as «linhas de indignação» deste direito de resposta são absolutamente fabulosas.

Ora atentem nestas três fatias de Maria Antónia Fiadeiro, Mestra em Estudos sobre as Mulheres:

«Os livros merecem-nos tanto respeito como as pessoas, às vezes até mais, mas nem os livros devem ser atirados para o caixote do lixo, nem as pessoas lançadas à fogueira, ou vice-versa.»

«Quanto a mais biografias, venham mais cinco, de preferências originais, nem a cavalo, nem às cavalitas. A minha é a primeira e está em andamento.»

«(...) a perversidade da sua crítica ajudará à divulgação da minha obra, e que o pior para um autor é ser silenciado ou ver a sua publicação censurada. Tenho humildade suficiente para concordar, mas não chega para avaliar a minha indignação pessoal e intelectual, contra a sua falta de respeito e contra a sua infâmia.»

Posta Barrosã Cardonal

Dura lex
cede a leques
abanicos milagrosos
uma passagem e pronto
a rajada retentiva
nada conta nesta vida
deixa passar o desconto
pois como diz o povito
quem conta um conto,
ora deixa ver,
três vez nove vintiquatro
em euros é mais barato

O Sonho dele XX

O sonho do Martin Luther King era um dream.

O Sonho dela XIX

O sonho da Ferida Calo era sarar.

O Sonho dele XVIII

O sonho de Sócrates era nunca se ver grego.

O Sonho dele XVII

O sonho de Jimi Hendrix era tocar acordeão.

Pela sua saudinha

Advertência ao leitor:

«No seu próprio interesse, prezado Leitor, verifique se este livro mantém o lacre branco que sela algumas das suas páginas; neste caso, abra-o, por favor, como abriria um livro não guilhotinado, isto é, com uma faca, até com um simples cartão, e assim não rasgará as folhas. Se o livro estiver todo aberto, rejeite-o, pois é indício de que já foi lido. Defenda a sua saúde não manuseando livros usados

Fica o aviso.

O sonho dele XVI

O sonho de Sete Solas era ser um casal. Ao Domingo de manhã, vestia as calças do fato-de-treino, um soutien de praia, calçava os saltos altos e iam os dois no Honda Corsa fazer compras ao hiper. A malinha numa mão e o jornal desportivo na outra, discutia intensamente sobre o beber ou não cerveja, e mandava-se à cara as suspeitas de que ele andaria a fazer olhinhos à vizinha do esquerdo, terminando sempre por acarinhar-se o rosto de um modo desajeitado mas muito conciliador.

17.2.04

O plano

Irmão Quarto é o plano perfeito: os cavalos só vivem 18 anos. Se o animal tiver menos de 14 é abuso de equídeo internado. Avisamos a TV e apanhamos o Catherine. Ganda ideia pá!

«Nós lá em casa só fumamos do verde...»

Welcome to Marlboro County

Frase ainda mais fresquinha

Vai para a puta que te pariu ó hipócrita de merda. Não te digo que vás mamar na quinta pata dum cavalo porque sei que tu gostas, ó filho duma grande puta.

Espelho meu, espelho meu...

...haverá alguém mais maçador que o Mick Hucknall?

If you don't like me by now... you will never never never like me...

20 toneladas de enchidos e presunto na feira do porco



«Boticas, 17 Fev (Lusa) - A sexta edição da Feira Gastronómica do Porco de Boticas, que decorre entre sexta-feira e domingo, vai colocar à venda 20 toneladas de enchidos e presunto, que deverão render cerca de 300 mil euros, anunciou hoje a Câmara local.

O presidente do Município de Boticas, Fernando Campos, acrescentou que são aguardados no certame cerca de 35 mil visitantes provenientes de todas as regiões do país e da vizinha Espanha, devem visitar a edição deste ano da Feira Gastronómica do Porco.»

Informação desnecessária

A apresentadora de televisão Merche Romero é a protagonista da campanha de publicidade que o Laboratório J. Neves vai lançar no próximo mês de Abril.

Contradições

As brasileiras de Bragança eram legais na cama mas ilegais em Portugal.

(enviado por leitor informado)

Empate

Informamos os estimados leitores que não têm seguido a carreira do clube desportivo de Póvoa e Meadas que o sporting local empatou a 0-7, num jogo em casa, no passado domingo.

O empate a sete bolas a zero deduz-se da média de 0-14, em derrotas, que a equipa tem conquistado desde o princípio do campeonato, na digna distrital de Portalegre.

O treinador prometeu já a vitória por 0-0 num próximo encontro.

Olhá frase fresquinha!

A boa, de António Perez Metelo:
«Mas, onde estão as armas de construção massivas?»;

A má, de Paulo Portas:
«Não somos um partido extremista. (...) Não nos podemos esquecer que deram cabo da nossa economia a 11 de Março de 1975.»

Fonte: TSF, jornal das 07h30

Só mais um peidinho

Os The Galarzas, contactados por um importantíssimo membro da Associação Traquelógica Ibérica, que organiza concursos internacionais para o tão popular desporto do Flato, foram informados de que existe uma outra obra que versa sobre o tema. Chama-se A Arte de Peidar, é uma obra do Conde de La Trompette, em que o cientista faz uma exposição empírica e exaustiva acerca das muito variadas formas, intensidades e odores que o flato pode atingir. É uma enumeração científica que ajuda o leitor leigo, tal como o mais experimentado, a conhecer melhor as formas que se formam dentro de si.

Pensa-se que tenha sido em tempos editada em Portugal pela & ETC e que, de momento, esteja absolutamente esgotada. Dizem-nos ainda que a brasileira Editora Insular, da cidade de Florianópolis, também terá a sua edição deste tão importante tomo.

16.2.04

Flatos, Peidos e Pums

Os The Galarzas, sempre ávidos de mais e mais sabedoria, esperam ansiosamente pela chegada deste livro tão pertinente e necessário: On Farting: Bodily Wind in the Middle Ages, de Valerie Allen (que nos foi recomendado por um avatar).

Enquanto esta obra de superior interesse não chega, entretemo-nos com as elementares obras do Professor Alec Bromcie, como o best seller O Grande Livrinho dos Flatos (editado em Portugal, pela Bizâncio, em 2001) ou esta suprema antologia:

«Contra flatos não há argumentos» (anónimo)

Ah, que bom é o cheiro da cultura...

O meu Sonho .98

O meu Sonho era que Santana Lopes fosse Sá-Carneiro.

O sonho dele XV

O sonho de Santana Lopes era ser Sá-Carneiro.

O sonho dele XIV

O sonho de Thomas More era uma grande utopia.

Síndrome de Garibaldi

A APSG (Associação de Portadores da Síndrome de Garibaldi), em manifesto desespero, coloca-nos a questão:

Que fazer quando freme pelos ossos a febre de gritar GARIBALDI!

Pois bem, caríssimos e íssimas, após aturadas e minuciosas pesquisas, depois de meses de meditação, em resultado de dias a fio em bibliotecas consultando canhenhos e devorando letras, podemos com franqueza dizer que não fazemos a mínima.
Nem a máxima.
Nem a.

Cadeira

Buster Keaton atirou-me a cadeira ao chão.
Estive quase para o insultar, mas o gajo mostrou-me aqueles olhos de estulto e só lhe consegui dizer «Cabrão!». Levantei a porcaria da cadeira e, a seguir, o tipo na maior atrapalhação, ou a fingir, foi tropeçar no assento outra vez.

Ai o caraças! Lá me pediu «sorry». Que estava atrasado para uma copofónica com o Harold Lloyd e o Chaplin, e tinham convidado umas maduras e uma teenager para o Charlie. E eu disse-lhe «Deixe lá camarada, não foi nada. Há coisas piores».

Parece que às vezes até os meus ídolos tiram o dia para me enxovalhar a pouca paciência.

Descansa em paz, galheteiro

Ó tristeza! Ó saudade! Ó martírio! E agora, que vai ser de nós, podres de espírito, inultrapassáveis fãs da nobre utilidade do galheteiro público, depois de lermos a notícia que ameaça «Galheteiros fora dos restaurantes»? É o luto, pôrra...

Resta-nos o consolo desta singela homenagem:

Galheteiro vil que te partiste, longe vai a tua escravatura

George W versus George W

É já um dos melhores apelos vindos das primárias norte-americanas (veio da campanha daquele senador que anda a ganhar as primárias democratas em todo o lado e que é casado com uma portuguesa):


Guerra em Lisboa: 2ª parte

A guerra continua nas ruas de Lisboa. As trincheiras continuam a ser abertas perigosamente pela Bica adentro, em direcção ao rio. A táctica camarária de guerrilha é a mesma: não fazer qualquer tipo de aviso, nem sequer aos moradores, não vá o inimigo esconder-se entre eles.

E no entretanto, os senhores das obras (agentes decerto infiltrados) lá vão dizendo, para enganar os audazes espiões do inimigo, que não são trincheiras, «é só para mudar os canos da água». O inimigo insiste: «então, mas isso não foi o que fizeram há duas semanas, quando abriram estes buracos da primeira vez?». Os senhores das obras, astutos, respondem como mandam as regras da guerrilha: «isso não é connosco, isso foi outra obra». E continuam a abrir trincheiras, pedras para o lado, terra para trás, e quem vier que se cuide, quem more aqui ao lado que peça licença para entrar em casa, que isto aqui é para ser feito e n
ão temos nada que andar a dar explicações a ninguém, era o que mais faltava... É para ser feito e pronto!

Curiosamente, ao cimo da rua, nem um outdoor pergunta «Já reparou como as ruas da Bica estão cada vez mais esburacadas?», nem um cartaz avisa «Custo da obra: a paciência dos moradores». É bom viver nesta Lisboa santanista!

15.2.04

Bardamerda

Um grupo bastante grande de cidadãos de Felgueiras fez uma manifestação em homenagem à dona Fátima que foi a turismo para o Brasil. Ela diz que é refugiada política e que é uma vítima de não sei o quê. A mim parece-me é que a senhora se foi embora no dia em que esteve para ser detida pela Polícia Judiciária. Mas não quero dizer nada com isto. Há muitos meses ao Sol e continuamos a pagar-lhe o salário de presidente de câmara. Falta-me aqui qualquer coisa para dar sentido a estas coisinhas.

É por estas e por outras que às vezes acho que este é que tinha razão...



BARDAMERDA!

CURSO DE FORMAÇÃO

Notícia: Manuel Maria Carrilho, pai de Dinis Maria, tirou a máquina de um bate-chapas da TV7dias e levou-a para casa, com a intenção de apagar as fotos da mãe (dele, o da poupa). Não conseguiu. O nosso paparaze ficou com as fotos, a máquina e apresentou queixa na PSP. Não houve grande refrega. Proponho campanha de angariação de fundos para pagar curso de fotografia digital ao marido da Bárbara.

Poema de: Chico Buarque

Homenagem ao malandro

Eu fui fazer um samba em homenagem
À nata da malandragem
Que conheço de outros carnavais

Eu fui à Lapa e perdi a viagem
Que aquela tal malandragem
Não existe mais

Agora já não é normal
O que dá de malandro regular, profissional
Malandro com aparato de malandro oficial
Malandro candidato a malandro federal
Malandro com retrato na coluna social
Malandro com contrato, com gravata e capital
Que nunca se dá mal

Mas o malandro pra valer
- não espalha
Aposentou a navalha
Tem mulher e filho e tralha e tal

Dizem as más línguas que ele até trabalha
Mora lá longe e chacoalha
Num trem da Central

Chico Buarque
1977-1978

Perna Extra

Os The Galarzas adquiriram recentemente numa superfície comercial um pacote de fiambre com a seguinte inscrição: «Fiambre de Perna Extra». Intrigados com esta denominação, leigos que somos em matéria de produção e distribuição de carnes e alimentar em geral, quisemos saber o que é a perna extra.

Experimentámos fazer a leitura do rótulo que envolvia o produto e ficámos a saber que este é um derivado de animal suíno, tal como já suspeitávamos. Inquirada a proponente da compra acerca deste assunto, respondeu-nos com a sua ignorância absoluta em relação ao mesmo.

Procurámos esclarecimento junto de alguns produtores de carnes, mas também os suínicultores contactados por nós ficaram perplexos e não nos souberam elucidar. Apenas um dos amáveis entrevistados nos aventou uma hipótese, mas esta pareceu-nos ficar entre uma ironia pouco fina e a chalaça ordinária, pelo que julgamos que tenha sido uma resposta pouco séria e de facto irreproduzível neste espaço. Afinal ainda temos um bocadinho de bom gosto.

Fica-nos a dúvida e a estranheza: afinal, o que é a «Perna Extra»?

E agora, Arly Cravo!


14.2.04

O Sr. dos Gira-Discos: O Regresso do DJ

Como diria a nossa mui estimada Anabela, eu hoje vou pôr música. DJ 5º (aka DJ Schizo) está de volta... Salve-se quem puder!

Anedota do dia

Apresentador do noticiário:

«Estará o Estado português a actuar como uma pessoa de bem? A dúvida assalta cada vez mais portugueses...»

(inserir gargalhada farfalhuda)

Feliz Dia Europeu da Disfunção Sexual

14 de Fevereiro: Dia Europeu da Disfunção Sexual

Feliz Dia dos Namorados

14 de Fevereiro: Dia de São Valentim

Vou e volto

Deia lá por onde deia, mais logo vou para a minha aldeia! Aos meus caríssimos e-leitores desejo fins-de-semana à maneira. Gajas boas para os, e gajos ricos para as. Ou vício-verso. Ou ainda como diria Galarza: «ou não».

13.2.04

Garrano atípico

A galope
a trote
o mote
mote, ó ciclo musante
oculto atrás, adiante
adiando a cinza certa
o murchamento da pétala.

Óscar Machico, in «É favor não pisar ovos», Editorial Côdea Interna, 1998

Graças, adeus

Durão Barroso anunciará em breve o fim do período TugaCom de governação.

Segundo um assessor do PM, a coligação PP/PSD/PP/CDS/PP tem, até agora, cosido a sua actuação com linhas humorísticas, devido à necessidade sentida pelos próceres da nação de pôr o povo português a rir, objectivo de resto plenamente alcançado, graças aos brilhantes sketches apresentados até agora: recordemos o breve mas hilariante número de Isaltino, conduzindo frenéticamente o seu táxi pelas montanhas suiças, ou a dupla Lynce & Martins, que, até serem sacrificados no templo de Diana, proporcionaram momentos de boa disposição.

A mudança não será no entanto radical: conta-se com a manutenção de brilhantes cómicos e cómicas, como Celeste Cardona, considerada com justiça pelos críticos como «a mais retentiva e absorvente performer do governo», Bagão Félix, «brilhante sátira ao sacristão de paróquia», e Figueiredo Lopes, «um artista ardente capaz de renascer das cinzas».

À parte deste grupo surge Manuela Ferreira Leite, cuja total ausência de graça não deixa de ser importante: o contraponto da tragédia e da farsa tem resultados muitíssimo eficazes, como se nota nos rostos beatificamente satisfeitos de milhões de conterrâneos.

Actualização

Da Lusa: «O ex-primeiro-ministro Vasco Gonçalves acusou esta noite Mário Soares de ter "encabeçado a parte civil da contra-revolução" no período que levou ao 25 de Novembro de 1975 e considerou que actualmente "a extrema-direita está no poder"».

Ora, actualizemo-nos:

Força, força
Companheiro Vasco
Nós seremos
A bengala de aço.

World Press Poor Photo

Esta é a foto vencedora do World Press Photo deste ano.

Jean-Marc Bouju (France), The Associated Press: Iraqi man comforts his son at a regroupment center for POWs, Najaf, Iraq, 31 March

Mas porque raio é que só as desgraças e os pobres e as guerras têm direito a prémio. Elas existem, estão lá, e os fotógrafos captam as imagens que, sim, são chocantes para o mundo ocidental ou ocidentalizado, que vê nestes reflexos o horror de um mundo. Mas um mundo distante.

O que é irritante. Lembro-me das exposições no CCB com as elites culturais, os jovens estudantes e a maralha mais ou menos pensante ali a olhar para os pobrezinhos e a dizer: «Que forma de arte», ou «Brilhante, captura a alma da pobreza».

Há quase que uma catarse misturada com uma desculpabilização, se permitem, neste tipo de fotografias. Já que não podemos salvá-los, ficamos solidários com os pobrezinhos, os deitados fora. Lobo Antunes tem uma passagem num livro, julgo que o do Gardel, onde exemplifica que a família tinha dado um trambolhão no status social porque tinham deixado de ter, lá em casa, um pobre. Eu lembro-me das famílias terem um pobre. Lembro-me de como a esmola era dada a um senhor conhecido que todos os sábados fazia a ronda, e como a minha avó lhe entregava pão, sopa e carne.

Mas estas fotos são belas mas de uma crueza, que continuo sem perceber se o World Press Photo passou a ser uma extensão da Amnistia Internacional ou se jurados e fotógrafos se tornaram numa espécie de voyeuristas das desgraças, que sabem que os intelectuais de esquerda e direita, com erros de paralaxe, vão olhar para a foto de lógicas diferentes mas, no fundo, com o mesmo sentimento hedonista: ainda bem que isto é lá, não é cá.

O país que temos

Depois do estranho caso do homem que recebeu um cheque de um cêntimo da Segurança Social, chega o estranho caso do homem ameaçado de penhora se não pagar o que deve às Finanças:

Carta registada com aviso de recepção: 2,11€. Custo do processo: centenas de euros. Dívida: 0,01€

...a escandalosa quantia de um cêntimo!

Frase do Dia

«O surrealismo em Portugal devia-se à qualidade do whisky em casa do António Pedro.»

Eduardo Prado Coelho, no Público de hoje.

Palavras do Dia

Ora repita lá, por favor:
- Triskadekaphobia (medo do número 13);
- Paraskevidekatriaphobia (medo da Sexta-feira, 13).

Viu como é fácil?

Neo Verbo do Fumador

Eu fumo
Tu fumas
Ele fuma
Nós pagamos
Vós recolheis o dinheirinho dos impostos que são para aí 70% do custo do maço
Eles recriminam-nos como se fossemos criminosos a roubar dinheiro ao erário público

(A qualquer momento os The Galarzas voltarão à temática da moderna gramática portuguesa.)

12.2.04

Corte à direita na curva

Algo de muito estranho se passa neste país:

«Por força dos medias estarem na mão da esquerda, os portugueses estão a ser invadidos por noticias e por lideres de opinião que não tem credibilidade.»

Quais media? O DN (dirigido por um ex-assessor dos governos PSD)? A SIC e o Expresso (presididos por um histórico do PSD e com regulares colaborações de opinion makers do PSD)? O Independente (que ainda hoje segue o livro de estilo do líder do PP)? A TVI (de um senhor conde e palco da maior estrela da direita moderada)? A RTP (orgão do Estado, actualmente PSD/PP)? Devem estar a falar do 24Horas ou da SIC Radical ou do Canal Panda... ou será que somos nós que andamos a ver mal?

O meu Sonho .97

O meu sonho era ter sido astronauta no tempo do Vasco da Gama.

Poema de: Idálio Juvino

Cofre Forte
(ao insígne poeta Mestre Nestor Alvito)

Recuso-me a admitir
o teu enfado
Recuso-me a que suportes
só este suplício

Que sejas sempre fecundo
em leiras de páginas
bem formadas
em ramas sempre verdes
arrecadadas num cofre
do tamanho do teu peito

Recuso-me
a recusar o teu vício.

Idálio Juvino, "O Gargalo Verde", Editora do Meloal, Fazendas de Almeirim, 1995

Reza de tom menor

Avé, Maria,
Mulher desgraça
Maldita sois vós
Entre as mulheres
Que má vida entra
No teu pobre ventre,
Jesus!

Santa, Maria,
Mãe de tantos,
Abortai por nós,
Pagadores.
Agora, e no feto
Que deitais fora,
Amén.

de Eustáquio Pinto, Malabarismos com o Gral, Entre Chão das Maias e Coito, 1997

Patética em Dó

Bonitos são os lírios do canto
superior esquerdo
a contar da lateral

Precisos são os ponteiros do velório
apontado à superfície
estagnada do mar

Sevícias não
Carícias são
endívias passadas
longe do lar

Maré Baixa

A maré está baixa hoje. Isto assim não anda e, receio, pode mesmo não voltar a pegar. É daquelas coisas que ou avança ou recua. Mas recuar não é uma opção, portanto, das duas, a terceira via: há-que fechar para obras... Posto isto, estou de greve!

Claro que nada disto seria necessário se soubesse ler grego antigo. Mas talvez nem assim me livrasse do desdém e do nojo dos outros. É só inveja, eu sei bem, é só dor de cotovelo e cornadura pesada. Cheira-me a estrume... Mas não há de ser nada, isto ainda se vai compôr. Um dia, quem sabe... Regresso à greve.

O meu Sonho .96

O meu sonho é não me transformar num sapo quando ela me beijar.

11.2.04

O meu Sonho .95

O meu sonho era belo e amarelo.

Anúncio Público (adenda)

Nem um escaravelho ornamentado. Tenho dito.

Anúncio Público

Eu não sou uma borboleta gigante. Obrigado.

Poema de Mestre Nestor Alvito

A Deus

Senhora donzela querida
Oscule minha face corada
Nesta minha despedida
Hoje que estou de abalada

Vou para longe, tão longe
Desta pátria que embaraça
Confessei-me já a um monge
Que cuidava ser chalaça

Mas é austera esta viagem
É concreto o meu destino
Chama-me a santa imagem
De Meu Senhor o Pepino

Até ele vou de gatas
Pelo caminho sem tormento
A jornada é sem empatas
E sem estradas de cimento

Seja a aportada ditosa
Pela neblina da história
Deixo-a hodiernamente formosa
Sem lágrimas na memória

(in As Luzidias [Poemas Épicos Para O Futuro], Edições Cátevia, 1989)

O meu Sonho .94

O meu sonho é ser salvo por uma princesa encantada.

Olhá boa notícia!

«LUSA: O escritor Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Dom Diniz 2004, atribuído pela Fundação da Casa de Mateus, pela tradução da obra "Odisseia", de Homero, anunciou hoje a editora Livros Cotovia».

Acaba assim o martírio de A.M. Ribeiro, irmão ilegítimo de Monsanto Guedes, que há muito andava a ler os livros em grego.

Já por cá anda

Duas rodas... um guiador... mas isto não é uma bicicleta?

O Segway foi apresentado ontem em Lisboa. Finalmente, «a coisa» tem rodas para andar. Os The Galarzas queriam encomendar um, mas dá muito trabalho...

ADENDA: Diz-me um caro irmão cardinal numeral que ainda hoje ia sendo atropelado por uma destas «coisas» lá no estaminé onde trabalha... perdão, que frequenta...

10.2.04

Insulto Avulso

Para Qualquer Hora do Dia
Vai cortar as unhas dos pés e deixa de furar as peúgas com esses sachos!

Crise e contenção

Os The Galarzas souberam de fonte mal informada que o Senhor Primeiro Ministro da Nação comprou um carro novo. Em tempo de contenção e crise, o Zé Manel Durão Barroso foi o primeiro a dar o exemplo aos portugueses, adquirindo esta modesta viatura

Novo Volkswagen Phaeton: o carro oficial da Nação,

que não custa mais de 30 mil contos. Ora, fazendo as contas: 30 milhões de escudos a dividir por 10 milhões de habitantes dá para aí 3 escudos de carro novo por cada português. Portanto, além de uma viagem ao mundo, o Estado ainda me está a dever 0,015€. Aviso já que cobro IVA e não desconto para a Segurança Social.

ADENDA: Diz-me um caro irmão cardinal numeral que o Senhor Primeiro comprou a viatura a um certo amigo que representa a dita marca na nação. Cheira a cunha... perdão, a amizade profunda retribuída com provas de boa fé...

Auto-elogio, Lda.

Mil perdão aos leitores, mas ele há frases de irmãos cardinais que não devem ser lidas sem notação. Eis uma, entre muitas, que revela o negativo de toda a obra galárzica, e a que daqui se presta vénia:

«(...) fiz-me fosco e fui à procura doutra luz que não tivesse o meu contágio».

Agora, ide à procura dela, enquadrai-a e vêde como na mais feia chaputa se esconde o melhor lombinho.

A questão do aborto

The Galarzas recordam um poema, que foi alterado na sua origem, sobre a questão:

Já aborto não sou!... À tina escura
Meu estro vai parar desfeito a tempo...
Eu aos céus ultrajei! O meu tormento
Leve me torne sempre a terra dura:

Conheço agora já quão vã figura
Em prosa e verso fez meu louco intento;
Tusa!... Tivera algum merecimento
Se um raio da razão seguisse pura!

Eu me arrependo a língua quase fria
Brade em alto pregão à mocidade,
Que atrás do som ginecológico corria;

Outro Cretino fui... A santidade
Manchei!... Oh! Se me creste, gente limpa,
Rasga meu ventre, crê na eternidade!


(Original de Barbosa du Bocage, com leves traços de Ébrio de Sousa)

9.2.04

Finalmente: eis Gomo!

«It's All Worth It», diz o próprio. Pois valeu a pena a espera. Chegou finalmente a colectânea mais esperada dos últimos tempos, o álbum português que faltava para fazer a malta sentir-se viva e acabar com a depressão: «Best of Gomo»! Simplesmente fabuloso...

Divine Comedy + Babybird + Beck + Eels : Feira do Relógio x Carrossel Mágico x Jardim Infantil = Gomo

Mas afinal, quem é o Gomo?

A Praia

Estava eu narcísico, olhei para o espelho umas sete ou quinze vezes, quando já farto da prosopopeia do vidro, fiz-me fosco e fui à procura doutra luz que não tivesse o meu contágio.

Segui pela rua das hortas até à tabernazita do fundo. Entrei para beber um traçadinho. Estava sentado ao colo de um banco que já tinha corrido os Jogos Olímpicos, a contemplar as manchas de humidade nas paredes, quando do outro lado da mesa me falou um comparsa:
-Eh!
-Sim?
-Foge do mar.
-Desculpe, não percebi!
-Foge do mar companheiro.

Fez-me um aceno à italiana e brindou-me com o copo de vinho tinto. Mais tarde soube que se tratava de um insígne Molusco Gastrópode, que tinha estado emigrado no areal de uma praia da Indochina, e tinha regressado à terra recentemente para fugir de uma cervejaria.

Dia a seguir

A segunda não foi escolha minha
Foi imposição de calendário
Escolha de Papa corsário
Deus do trabalho e numerário

A segunda foi uma escolha errada
Obriga a abandonar a santa primeira
Aquela que tudo começa, onde começa o mundo
A palavra, verbo, derradeira

Segunda é apenas a desculpa
Para agonoziar no regaço da anterior
As culpas do infímo desamor

Segunda é obrigação.
A outra, por quente e recatada,
Não

de Eustáquio Pinho, Morder na Vidraça, Lanhoso, 1997

O Impiedoso Malaquias

As contrapartidas de uma vida saudável têm a sua parte de desagradável. Você deixa um cadáver elegantíssimo, mas sem qualquer interesse para o médico legista.

Moral da História: «Gosto mais de amor contigo do que das iscas com elas.»

Busca-polos

Intrépido busca-polos
apontas esquimós a norte
e pinguins no avesso
ou será que o vice versa?

Busca busca busca-polos
correntes no padre Hilário
correntes de riso santo
isso em amperes dá quanto?

Óscar Machico, in «Dedo na tomada, corrente alternada», Editorial Electra ou Estática, 1997


Finânsias

esta dama das finanças
abomina quaisquer danças
evita o inchar das panças
assusta tanto as crianças
que a sopa comem já mansas
aconselha temperanças
atrai o voo de lanças
reconstrói velhas faianças
às leais chama-lhes tansas
confunde patas com gansas
enquanto ela está tu ranças
vai-nos deixar más lembranças

Óscar Machico, in «Envias de Extinção uma flor de extintor», Publicações Alimária, 2002

8.2.04

Poema de: Idálio Juvino

Esteiro

As gaiatas de batas
brancas saem do colégio
vestidas de baratas.

Trazem ninhos de pulgas
por trás das orelhas, a fingir
que são brincos brilhantes
por cima das princesas.

Coçam as mãos com
denodo, largando pilatos
no esteiro da lua.

Idálio Juvino, "No Caminho dos Correeiros", Tremelga & Badejo Editores, Constância, 1988

A primeira Maçã de Alcobaça

Frase solta de um repórter desportivo

Passa um anúncio na TV. O repórter está descontente com o resultado ao intervalo. A frase do anúncio é, de facto, infeliz. Mas o repórter atira para o ar, com grande violência, dirigindo-se ao anúncio: «Vai'ta foder, devias era ser enrabado por um rinoceronte com cio».

The Galarzas aguardam que o clube do qual o repórter é adepto perca, pois estão em pulgas para saber onde o repórter arranjará o dito animal, no dito estado, para praticar a dita acção no dito protagonista do dito anúncio.

O impiedoso Malaquias

O impiedoso Malaquias está furioso com o tratamento dado pelo Papa João Paulo II aos santos. É que os nomeia e, ao mesmo tempo, queima-os na praça pública. Isto revolta o impiedoso Malaquias, não pelo facto em si, mas porque considera que pessoas que fizeram o bem em vida não devem acabar na pira.

Moral da História: O impiedoso Malaquias não sabe a diferença entre canonizar e carbonizar.

Infantil

Jorge Ritto
Já te tenho dito
Que não é bonito
Andares a enrabar

Já agora, peça desta também

«Ginja ganha novos apoios».


Peça-as pelo Nome (Anexo)

«Maçã de Alcobaça parte à conquista do País».

Da esq. para a dta.: Gala, Jonagold, Starking, Golden, Granny Smith e Reineta