19.11.04

Poema de: K.J. Bcekjecmec

Um Poema de Despedida
Em 1920 o poeta molvano K.J. Bcekjecmec compôs este soneto que é tradicionalmente recitado aos visitantes que deixem (ou venham a ser deportados) do país.

Adeus ao visitante da nossa bela terra
A cujo solo pisando enriqueceste
Tanto quanto ele te enriqueceu, por
Tê-lo debaixo dos teus sapatos de viandante.

Adeus! Como amigos sinceros nos despedimos mas
Numa manhã de batalha poderemos encontrar-nos, talvez
E então um ao outro o sangue verteremos
E um ao outro cortaremos as gargantas.

E de morte se odiarão os nossos filhos
Assim, como entre Deus e a Natureza
Assim, como o Sol despreza a Lua
E o Burro as suas Orelhas.

Mas agora é tempo de erguer nossos cálices
E nos desejarmos bem um ao outro
Ainda que eu te maldiga e à tua família inteira,
Para toda a eternidade.